Gilmar Félix/Câmara dos Deputados
Gilmar Félix/Câmara dos Deputados

Itamaraty faz ofensiva no exterior para conter pressão diante de assassinato de Marielle

Horas depois do anúncio da morte da ativista, grupos, entidades e partidos políticos no exterior passaram a condenar a violência no Brasil

Jamil Chade, O Estado de S.Paulo

16 Março 2018 | 16h00

GENEBRA - A chancelaria enviou a todas suas embaixadas do mundo instruções para que os diplomatas do Itamaraty entrem em contato com autoridades locais e com formadores de opinião para "expor de maneira mais ampla possível as medidas tomadas pelo governo para esclarecer o assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes". 

+++ Polícia identifica origem das cápsulas dos tiros que mataram Marielle

Horas depois do anúncio da morte da ativista, grupos, entidades e partidos políticos no exterior passaram a condenar a violência no Brasil. Na ONU, a entidade fugiu de sua tradicional prática de esperar dias para fazer um comentário e, menos de 24 horas depois do assassinato, emitiu uma dura nota exigindo que houvesse uma investigação sobre o caso, assim como garantias de que os responsáveis fossem levados à Justiça. 

No Parlamento Europeu, uma coalizão de partidos de esquerda composta por 52 deputados enviou uma carta para a chefe da diplomacia do bloco pedindo a suspensão das negociações entre Mercosul e Europa até que o Brasil desse respostas sobre a proteção a defensores de direitos humanos. 

+++ Depois de assassinato de Marielle, PSOL é alvo de ataques na internet

ONGs estrangeiras também reforçaram a repercussão internacional, com comunicados e denúncias. Relatores da ONU também passaram a se mobilizar para pedir explicações formais ao governo. 

Num primeiro telegrama, o Itamaraty informou sua rede de representantes sobre a posição do governo, enviando anexos dos comunicados emitidos pela presidência da República, pela Secretaria Especial de Comunicação Social, pelo ministro de Direitos Humanos, Gustavo Rocha, e pela Secretaria de Políticas para Mulheres". 

O Estado apurou que um segundo telegrama também foi enviado, instruindo certas embaixadas a ter uma atitude mais "ativa". A orientação, nesse caso, era de que os postos fossem em busca das autoridades nacionais onde estavam para dar a posição oficial do que vem sendo feito para elucidar o caso. 

+++ Líder do PSOL diz que intervenção é 'nuvem de fumaça' para fracasso na Previdência

Mas a onda de críticas promete crescer nos próximos dias. Agnes Callamard, relatora da ONU para execuções sumárias, não esconde sua preocupação sobre a situação brasileira. Ela revelou que, em um ano, enviou cinco cartas sigilosas ao governo brasileiro exigindo respostas sobre assassinatos ocorridos no Brasil. "O trágico assassinato de Marielle Franco é um desenvolvimento extremamente preocupante para o Brasil", escreveu ao Estado. 

Nos bastidores, organizações não-governamentais estrangeiras e brasileiras estão se mobilizando para usar o caso da ativista carioca para expor as autoridades brasileiras na ONU, possivelmente em uma reunião na sede das Nações Unidas em Genebra. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.