Já são 24 os presos em operação da PF contra falsificação

A Polícia Federal prendeu 24 pessoas acusadas de integrar uma quadrilha responsável, entre outros crimes, pela falsificação de documentos e emissão de passaportes fraudulentos. Entre elas há 12 agentes da superintendência da PF no Rio, um dos quais aposentado. Os acusados poderão responder pelos crimes de falsificação de documentos, sonegação fiscal, contrabando, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. Eles são suspeitos também de tráfico de crianças e de mulheres para prostituição. Os nomes dos envolvidos estão sob sigilo. A cada ano são expedidos, em média, 700 mil passaportes no País, segundo a PF.A Operação Planador começou às 4 horas desta manhã. Cento e trinta policiais federais, selecionados em outros Estados, cumpriram 35 mandados de busca e apreensão e 24 mandados de prisão. Segundo o delegado Reinaldo de Almeida César, que atua no setor de inteligência da PF e veio de Brasília, a Planador foi detonada, entre outros fatores, pela chamada Operação Moscou, na qual finlandeses foram presos vendendo passaportes brasileiros na Rússia.Os passaportes vendidos pela quadrilha eram verdadeiros, mas emitidos por agentes federais envolvidos com o esquema a partir de documentos falsificados pela quadrilha. Os preços variavam de US$ 1 mil por uma carteira de identidade a R$ 20 mil por uma pacote completo.A operação Planador prossegue amanhã, buscando mais provas contra a quadrilha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.