Divulgação
Divulgação

Jabuti mutilado em cerca elétrica ganha 'asa' e volta a andar

Prótese foi criada no Hospital Veterinário de Uberaba (MG) para evitar que o animal continuasse tombando após perder a pata

Rene Moreira, de O Estado de S. Paulo,

03 Maio 2013 | 17h19

FRANCA - Mutilado em uma cerca elétrica, o jabuti Rubinho ganhou uma prótese que se parece com uma asa para volta a andar. Antes disso foi tentado no bicho uma rodinha no lugar da pata amputada, mas ele vivia tombando e, assim, ralava o nariz e ainda corria o risco de morrer asfixiado. A nova prótese foi desenvolvida no Hospital Veterinário de Uberaba (HVU) onde ele faz tratamento desde o acidente, há quase dois anos.

 

O novo artefato foi confeccionado em PVC e tem quatro milímetros. Ele foi planejado pelo médico veterinário Cláudio Yudi, que antes tentou duas rodinhas. O problema, explica, é que ao andar o jabuti acabava tombando e, para um animal desses, conseguir se levantar não é uma tarefa nada fácil. Diante disso, o veterinário passou a estudar outra alternativa.

 

Foram cerca de dois meses de estudo com o apoio dos alunos da Universidade de Uberaba, mantedora do hospital. Foi preciso uma cirurgia para colocar as asas que, para o veterinário, vão garantir uma melhor qualidade de vida ao animal mesmo que no cativeiro. Com essa prótese, o jabuti conseguiu voltar à posição normal e a andar com equilíbrio.

 

História.Rubinho vinha se locomovendo com rodinhas desde 2011, quando perdeu um dos membros e foi localizado por duas freiras de Uberaba, sendo enviado para o zoológico local. Encaminhado para tratamento, inicialmente recebeu rodinhas inspiradas nas bicicletas infantis e agora as alças dos dois lados.

 

Esta não foi a primeira invenção de Cláudio Yudi na tentativa de ajudar os animais. Antes disso ele fez uma cadeira de rodas para uma cadela atropelada e, em outra situação mais complicada, usou resina, clipes e até parafusos para prender de volta o casco de um cágado que havia sido atacado por cães.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.