Japão e EUA concentram casos

O vizinho Paraguai está em terceiro no ranking de países com mais brasileiros desaparecidos do Itamaraty

RENATO MACHADO, O Estadao de S.Paulo

24 de janeiro de 2009 | 00h00

Os países que têm as maiores comunidades de brasileiros no exterior são também aqueles que concentram a maior parte dos desaparecimentos. De acordo com uma estimativa de 2008 do Ministério das Relações Exteriores (MRE), até 1,5 milhão de brasileiros podem estar vivendo atualmente nos Estados Unidos - os dados não são precisos, pois muitos estão ilegais. A segunda maior colônia está no Paraguai, com cerca de 500 mil. Depois, vem o Japão, com 300 mil. Em relação aos desaparecidos, no entanto, o Japão lidera em números de casos. O MRE registrou 45 casos de sumiços de brasileiros no país em 2008. Os especialistas dizem, porém, que os imigrantes brasileiros nesses países têm algumas particularidades: a maioria dos considerados desaparecidos na verdade quer cortar laços com os familiares no Brasil."Muitos dos brasileiros que vão para o Japão são homens; alguns deles arrumam novas famílias por lá e não querem mais arcar com as despesas da que tinha aqui", diz a pesquisadora da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) Lili Kawamura, que estuda o movimento dos dekasseguis.A pesquisadora acrescenta que há também muitos casos de pessoas que não conseguiram sucesso no país e têm vergonha. "Os dekasseguis foram ao Japão para trabalhar e mandar dinheiro para a família no Brasil. Muitos não conseguem e é difícil admitir isso. Então, preferem desaparecer." Lili conta que é comum famílias brasileiras contratarem advogados no Japão. Após um tempo, os advogados relatam que as pessoas são achadas, mas não querem contato.A empresária Miriam Rangui, de 28 anos, de Peruíbe, no litoral paulista, busca há 12 anos por notícias de seu irmão Marcelo. Os dois e seu pai foram trabalhar no Japão em 1995, mas se separaram logo na chegada. Miriam e o pai ficaram na região de Mie-Ken, enquanto Marcelo foi para perto de Nagoya. Depois de uma temporada de volta ao Brasil, onde se casou, o irmão foi novamente para o país asiático.Pai e filha resolveram voltar para o Brasil no fim dos anos 1990, época em que Marcelo estava se separando da mulher. "Foi a última vez que falei com meu irmão. Depois disso, o celular dele não deu mais sinal e nenhum amigo tem notícias dele. Meu pai morreu triste porque nunca mais teve contato", diz Miriam, que contratou um advogado para encontrá-lo e notificou o consulado e a polícia japonesa. "Meu irmão sempre foi muito impulsivo, mas não vemos motivo para ele não querer mais contato."Os Estados Unidos são o segundo país em número de desaparecimentos de brasileiros. De acordo com o MRE, foram 25 casos no ano passado. Embora seja menos comum, as associações de brasileiros no país dizem que também há casos de pessoas que cortam as relações com a família no Brasil. No entanto, alguns sumiços estão relacionados com mortes na travessia ilegal pelo México e com crimes.A violência também é apontada como a principal causa de desaparecimentos no Paraguai. De acordo com a Polícia Federal, muitos sumiços acontecem na fronteira entre os dois países, em confrontos envolvendo "brasiguaios".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.