Jarbas é candidato de Serra em Pernambuco

Senador do PMDB, que acredita na vitória do tucano na corrida presidencial, diz ter atendido a apelo do povo para se candidatar

Angela Lacerda, O Estado de S.Paulo

07 de maio de 2010 | 00h00

O senador Jarbas Vasconcelos (PMDB) é candidato ao governo de Pernambuco. O anúncio foi feito ontem à tarde, em seu escritório político, no Recife. "Eu acredito que José Serra será o próximo presidente da República e não desejo que Pernambuco fique de fora dessa nova fase da história do País."

De acordo com o senador, o pré-candidato tucano à Presidência lhe pediu três vezes para que fosse candidato ao governo do Estado, já que ele demonstrara não ter vontade e nem disposição para ser candidato. Segundo Jarbas, o palanque de Serra na terra do presidente Lula será "forte e competitivo".

Apesar da importância do apelo do tucano, Jarbas diz que a decisão foi tomada após ouvir o povo nas ruas. "Vou disputar o governo porque os pernambucanos me pediram."

O senador garante que vai com garra ao embate com o governador Eduardo Campos (PSB) - que vai disputar a reeleição com ampla aprovação da população e contando com a máquina estadual, o apoio do governo federal e da maioria dos prefeitos pernambucanos.

Recursos. Ainda sem a composição da chapa majoritária - apenas o senador Marco Maciel (DEM) foi confirmado como candidato à reeleição no Senado - Jarbas afirmou que, se necessário, vai procurar a direção nacional da sigla em busca de recursos. Dissidente do PMDB nacional, ele mantém "uma relação azeda" com o partido,

"Temos de buscar recursos pelo caminho legal e, se preciso, vou buscar com a direção que contestei publicamente." Indagado, ele disse não temer ser identificado como "anti-Lula" - o que poderia atrapalhar a campanha de Serra.

Jarbas frisou ter sido eleito senador para fazer oposição ao governo. "Nas democracias funciona assim, quem ganha governa e quem perde vai para a oposição, fiscalizar", analisou. "O problema é que o PT e os seus aliados esqueceram que foram oposição e querem a unanimidade a todo custo", disse. "Nunca fui adesista, tenho nojo do adesismo."

Jarbas disse ainda que Lula não é candidato a nada nesta eleição. E, sem citar o nome de Dilma Rousseff, afirmou que Lula tenta colocar uma pessoa "sem a qualificação necessária" para ocupar a Presidência.

Reconhecimento. O senador reconheceu que o presidente, "sem dúvida alguma", ajudou Pernambuco, quando ele foi governador, mas porque o dever de casa foi feito. "Arrumamos as finanças do Estado, investimos fortemente em Suape, na infraestrutura. Nada caiu do céu."

Jarbas foi governador do Estado em dois mandatos - 1999 a 2006. Disse não temer comparação com o governo Eduardo Campos e utilizou para o Estado o mesmo mote de Serra para o País - o de que Pernambuco pode fazer muito mais e não está fazendo. "Não vou fazer como o atual governador, que passou a campanha de 2006 dizendo que não queria falar do passado, evitando avaliar o governo no qual ele foi figura-chave entre 1995 e 1998 (governo de Miguel Arraes)".

"Fizemos mais e melhor do que o atual governo, mas o pernambucano não quer saber só isso", disse. "O povo de Pernambuco vai querer saber quem fará mais no futuro, a partir do próximo ano, quando José Serra estiver na Presidência."

Futuro certo

Jarbas Vasconcelos foi eleito senador em 2006. Se perder a eleição para o governo ainda terá mais quatro anos de mandato no Senado. Ele ainda não sabe se irá se licenciar para a campanha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.