Jardins vão perder 20 árvores doentes

Moradores reclamam de decisão da Subprefeitura de Pinheiros

Lais Cattassini e Vitor Sorano, O Estadao de S.Paulo

20 de março de 2009 | 00h00

Vinte árvores de ruas dos Jardins, área nobre na zona oeste de São Paulo, estão na mira das serras da Subprefeitura de Pinheiros. O argumento é de que elas oferecem risco de queda e, por isso, devem ser derrubadas. A sociedade de moradores do bairro, porém, afirma que vai checar a necessidade da retirada. Moradores alegam que essa lista de "condenações" não inclui outros exemplares da vizinhança que tiveram retirada pedida por ameaça de cair.A Alameda Santos, no Jardim Paulista, é a que perderá mais verde. São seis árvores, localizadas entre os números 647 a 1.094. Também perderão exemplares as Alamedas Casa Branca (3), Fernão Cardim (1), Lorena (3) e Sarutaiá (1); além das Ruas Haddock Lobo (1) e Atlântica (5). São 14 exemplares da espécie tipuana, duas da ligustrum, duas da pau-ferro, um jacarandá-mimoso e uma quaresmeira. A Secretaria de Coordenação das Subprefeituras informou que os moradores têm dez dias para questionar a decisão. Depois disso, o corte entra na programação de serviços da subprefeitura, sem data ainda para realização. "Vamos pedir que um engenheiro agrônomo avalie a necessidade do corte. Não podemos deixar que a cidade perca mais esse espaço verde", diz Célia Marcondes, presidente da Sociedade dos Amigos e Moradores do Bairro Cerqueira César (Samorcc). A Secretaria do Verde e Meio Ambiente diz que as árvores estão em estado degenerativo, com sérios ferimentos, e algumas sofrem de infestação "irreversível" de parasitas. Haverá substituição por exemplares de 2 metros de altura.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.