Jaula para detidos no carnaval em DP móvel causa polêmica

Cubículos, porém, não ficarão expostos e servirão de passagem para presos na folia de Salvador

Tiago Décimo, SALVADOR, O Estadao de S.Paulo

06 Fevereiro 2009 | 00h00

A montagem dos 41 camarotes nos principais circuitos carnavalescos de Salvador costuma chamar a atenção de moradores e visitantes da capital, além de complicar bastante o trânsito na orla da cidade e nos arredores do centro histórico. Ontem, porém, o início das obras de construção de uma delegacia móvel - ou Posto de Policiamento Integrado (PPI), como diz a Secretaria da Segurança Pública (SSP) - conseguiu atrair ainda mais olhares. O motivo: uma pequena jaula, de 4 metros quadrados, foi instalada do lado da construção, fazendo supor que os detidos no carnaval fossem ficar expostos, no meio dos foliões. Segundo informações da secretaria, porém, a montagem da cela foi feita do lado de fora apenas de forma experimental. De acordo com a assessoria da SSP, as celas ficarão dentro das delegacias móveis, como nos últimos anos, e serão apenas ponto de passagem para os detidos, que vão ser encaminhados para delegacias "reais" tão logo seja concluída a documentação necessária para a oficialização do flagrante e para a transferência. "Vamos esvaziar a carceragem de três ou quatro delegacias próximas dos circuitos para abrigar esses detidos que vão ficar nas celas móveis", comenta o coordenador de Comunicação, Erival Miranda. A tática de montar pequenas celas dentro dos distritos móveis e encaminhar os detidos às delegacias apenas depois de documentar o flagrante, segundo a SSP, tem como objetivo dar mais agilidade tanto à ação policial quanto à logística de transporte e prover mais segurança a foliões e policiais. A forma de "jaula" do equipamento vem do fato de os PPIs terem teto e paredes móveis, que podem ser quebrados - ou arrancados - em caso de tentativa de fuga. Segundo o diretor do Departamento de Polícia Metropolitana, Ruy da Paz, serão instalados 19 PPIs nos circuitos da folia soteropolitana neste ano. Os postos terão, cada um, um delegado, um escrivão e cinco policiais, além de uma cela móvel. A dúvida sobre o policiamento do carnaval deste ano tem relação com o uso dos 24 contêineres-cela, adquiridos pelo governo estadual no ano passado, por R$ 1,9 milhão. Os equipamentos, de 12 metros quadrados, com sanitário, pia e sete beliches, foram usados para abrigar, no último carnaval, detentos custodiados nas delegacias, dando espaço para a chegada dos presos em flagrante durante a folia. Defensores dos direitos humanos alegaram que os equipamentos atacavam a dignidade dos presos. NÚMEROS 4 metros² é o tamanho da ?jaula? 19 postos de policiamento serão instalados ao longo do circuito de rua em Salvador 3 delegacias serão esvaziadas para abrigar detidos das celas móveis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.