Jingle de Duda para Marta ignora estratégia do PT e abre crise

Peça cita Lula e Dilma,omite Mercadante e convida eleitor a votar na ex-prefeita 'seja qual for seu lado'

Malu Delgado, O Estado de S.Paulo

24 de julho de 2010 | 00h00

Convidado a comandar a área de marketing da campanha de Marta Suplicy (PT) ao Senado, o publicitário Duda Mendonça produziu um jingle para a disputa eleitoral que provocou a irritação em segmentos do partido e abriu uma crise política.

No jingle, o eleitor é convidado a votar em Marta "seja qual for seu lado" e "seja qual for a razão". Para dirigentes petistas, a estratégia aniquila o discurso plebiscitário que o PT sustenta nacionalmente e em especial em São Paulo, com objetivo de contrapor o projeto de Lula ao dos tucanos para o Estado e o País.

Além disso, a letra do jingle associa a imagem da ex-prefeita ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva e à candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, omitindo a candidatura de Aloizio Mercadante (PT) ao governo.

O jingle foi postado nesta semana na página de Marta Suplicy e é feito em parceria com Peri, que já produziu com o marqueteiro jingles da campanha presidencial de Lula em 2002. Apesar da polêmica política, a qualidade técnica da peça foi bastante elogiada por petistas.

Uma das partes polêmicas do jingle é a que cita as estrelas nacionais petistas: "Com Lula, com Dilma, e Marta no Senado, os três jogando juntos, todos os três do mesmo lado. São Paulo mais forte, é isso que a gente quer. Agora, no Senado, quero a voz de uma mulher."

A escolha de Duda para integrar a campanha partiu da própria Marta. As peças publicitárias da campanha de Mercadante e do também candidato ao Senado Netinho de Paula (PC do B) estão sendo coordenadas por Augusto Fonseca, que já havia feito a campanha vitoriosa da petista à Prefeitura de São Paulo em 2000. A campanha de Mercadante alertou Marta sobre riscos de haver diferenças de linguagem entre os programas de TV.

Hábil, Duda trabalha subliminarmente para minimizar o alto índice de rejeição de Marta e tenta ampliar o teto eleitoral da petista. Isso, segundo dirigentes do partido, explicaria a tentativa de pedir votos para o eleitor independentemente "do seu lado".

Em pesquisas já publicadas sobre a disputa ao Senado em São Paulo, Marta lidera a disputa.

Nesta semana, Mercadante voltou a afirmar que "esgotou o período do PSDB" em São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.