Marcos D'Paula/AE
Marcos D'Paula/AE

Jobim diz que PF colherá DNA para identificar vítimas

Ministro diz que trabalho só será iniciado após resgate das vítimas e que Brasil só colabora nas investigações

Agência Brasil,

03 de junho de 2009 | 15h01

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, afirmou nesta quarta (3) que o recolhimento de material genético de parentes dos passageiros do voo 447 da Air France deve ter início só depois que os corpos começarem a ser resgatados. O trabalho, segundo ele, será comandado pela Polícia Federal. "A colaboração do Brasil em relação às investigações faz parte de um pedido que será feito pelos franceses. O país participará porque houve brasileiros (envolvidos no acidente), mas apenas como supervisão", explicou.

 

Veja também:

lista Todas as notícias sobre o Voo 447

lista Lista de brasileiros que estavam no voo

lista Lista de todos os passageiros que estavam no voo

blog Blog: histórias de quem quase embarcou

especial Conheça o Airbus A330 desaparecido no trajeto Rio-Paris  

blog Acompanhe a cobertura pelo blog Tempo Real

som Podcast: Especialista não tem dúvidas de que avião da Air France caiu no mar

especial Cronologia dos piores acidentes aéreos dos últimos dez anos

mais imagens Veja Galeria de fotos

especial Anac monta sala no Galeão para familiares; veja telefones de contato

video Entenda a operação que localizou destroços

video TV Estadão: Especialista fala sobre o acidente

linkVoo 447 pode ter tido problemas em zona intertropical

linkApenas 4 minutos da 1ª pane até a queda

linkQueda livre e sistema em pane são únicas certezas do Voo 447

linkSubmarino que achou Titanic buscará caixa-preta

linkProfundidade na área dos destroços chega a 3 mil metros

linkJobim crê que ainda é possível achar caixa-preta, diz Lula

linkAeronáutica localiza mais destroços; navio da Marinha chega à região

 

Após participar do sétimo balanço do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), o ministro disse que a responsabilidade de recuperar a caixa-preta do Airbus A330 - desaparecido na madrugada da última segunda-feira - é do governo francês e que a prioridade do governo brasileiro é recolher destroços e resgatar corpos das vítimas.

 

Jobim garantiu que a hipótese de atentado como causa do acidente com a aeronave não foi cogitada. Ele também negou que aviões que participam das buscas tenham localizado corpos de vítimas. O ministro reforçou que, assim que isso ocorrer, eles serão levados inicialmente para Fernando de Noronha e, em seguida, para Recife (PE).

 

Sobre a mancha de 20 quilômetros de extensão - localizada hoje pela Força Aérea Brasileira (FAB) na região onde foram encontradas destroços - Jobim afirmou que a tese de que o piloto poderia ter tentado um pouso forçado na água ainda não pode ser comprovada. "São hipóteses. Não há nenhuma conclusão. Queremos trabalhar com dados e eles virão depois do levantamento", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.