Jobim estuda proposta para permanência do Exército em morro

Na agenda do ministro da Defesa está marcada uma reunião com o comandante do Exército, general Enzo Peri

Rosana de Cássia, Agência Estado

24 de junho de 2008 | 08h23

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, despacha nesta terça-feira, 24, na sede do Comando Militar do Leste, no Rio de Janeiro, onde terá reuniões com o Comandante do Exército, General Enzo Peri, e com oficiais responsáveis pelas obras no Morro da Providência. O objetivo, segundo informações da assessoria do ministro, é continuar os estudos para a elaboração de uma proposta para a continuidade das obras a ser apresentada à Justiça até o dia 26 de junho. As reuniões, segundo a assessoria, não serão conclusivas, e não haverá entrevista à imprensa.   Veja também: Lula 'não pode fazer nada por mim', diz mãe de jovem morto Juiz do Rio se declara 'incompetente' para julgar militares Opine: o Exército pode cuidar da segurança pública?     Na segunda-feira, em meio ainda a um clima de consternação, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva participou de uma reunião de quase uma hora, no Palácio da Guanabara, com cinco familiares dos rapazes mortos pelo tráfico, após serem entregues a gangues inimigas por militares que tomavam conta das obras do Exército no Morro da Providência. Lula chegou a desabafar que considera "injustificável" a presença de homens do Exército em "uma obra terceirizada" , já que os trabalhadores ali empregados são da comunidades, e os únicos militares seriam dois engenheiros.   O presidente decidiu receber os familiares dos rapazes para ouvir o outro lado da história, já que tomou conhecimento da maior parte do caso apenas pelo Ministério da Defesa. Na avaliação do presidente, "são muito diferentes as versões" sobre a forma como os jovens foram abordados, presos e entregues para as facções rivais. Lula defendeu que o julgamento dos 11 envolvidos na morte dos jovens seja feito pela Justiça Civil, e não na Justiça Militar. O ministro Nelson Jobim endossa a mesma tese, o que é contrário ao entendimento dos militares.   Na conversa com as famílias, o presidente Lula reiterou a disposição do governo em pagar uma indenização aos familiares das vítimas. Mas, apesar do discurso aparentemente contrário à atuação das Forças Armadas no Morro da Providência, o presidente Lula concordou com o fato de o Ministério da Defesa ter pedido à Advocacia-Geral da União (AGU) para entrar com recurso na Justiça a fim de garantir que os militares permaneçam na favela, dando proteção ao pessoal que trabalha na obra e ao material. Até quinta-feira, a Justiça decide se a redução dos militares foi suficiente ou se devem deixar definitivamente o morro.   Nos questionamentos sobre a presença do Exército na área, o presidente Lula lembrou que "não tem policiamento ostensivo em nenhuma das obras do PAC". Com isso, na sua avaliação, não haveria motivos, também, para ter soldados do Exército fazendo segurança ostensiva naquela obra. As obras no Morro da Providência não estão incluídas no PAC - elas fazem parte do Projeto Cimento Social, fruto de acordo entre o Ministério das Cidades e o Comando do Exército para atender a uma emenda parlamentar do senador Marcelo Crivella (PRB-RJ), que seria o candidato preferido de Lula à prefeitura do Rio. Nesta segunda, 23, pela primeira vez após o crime, o senador compareceu a uma solenidade de lançamento de apoio à candidatura do Rio para sede das Olimpíadas de 2016. Lula e Crivella saíram juntos da cerimônia.   Após a reunião com Lula, a servente Lilian Gonzaga, mãe de Wellington Gonzaga da Costa, de 19 anos, foi a única do grupo a conversar com jornalistas, mas disse apenas que agradeceu e pediu justiça.   (Colaboraram Tânia Monteiro, Talita Figueiredo e Felipe Werneck, de O Estado de S. Paulo)  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.