Jobim fica; aeroportos terão secretaria

Seguindo mais uma "sugestão" do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ministro Nelson Jobim vai continuar no comando do Ministério da Defesa a partir do próximo dia 1.º de janeiro, quando a presidente eleita, Dilma Rousseff, assumir o governo.

Tânia Monteiro / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

07 de dezembro de 2010 | 00h00

Dilma também decidiu que vai mesmo criar uma secretaria só para cuidar da infraestrutura dos aeroportos e da aviação civil. Na tarde de ontem, Jobim confirmou aos membros do Conselho Nacional de Aviação Civil (Conac) o projeto da presidente eleita.

A Secretaria Especial de Aviação Civil será ligada à Presidência da República e vai abrigar a Infraero (Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária), a Secretaria de Aviação Civil (SAC) e a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

A intenção é deixar essa secretaria fora da partilha político-partidária entre a base aliada. O Estado apurou que a criação da secretaria especial deve ser acompanhada da abertura do capital da Infraero, o que daria mais agilidade à empresa estatal e multiplicaria as fontes de investimentos em aeroportos.

Caças. Dilma e Jobim reuniram-se ontem por quase três horas, na Granja do Torto. Jobim levou à presidente eleita um dossiê completo sobre as propostas dos fabricantes que querem fornecer à FAB a nova geração de caças - Rafale (França), Gripen (Suécia) e F-18 (EUA). O assunto deve ser discutido, na próxima semana, com o presidente Lula.

No encontro de ontem, também ficou acertado que Jobim deve entregar a Dilma, "dentro de uns dois dias", uma posição sobre a manutenção ou escolha de novos comandantes das três Forças (Exército, Aeronáutica e Marinha). Hoje, o ministro se reúne com o Conselho Militar de Defesa.

Pelas avaliações de Lula e Dilma, apesar dos avanços institucionais no trabalho de fortalecimento da autoridade civil sobre os militares, o processo só será consolidado quando o Congresso aprovar todo o pacote da chamada Estratégia Nacional de Defesa - o que, na opinião deles, começou com Jobim e deve ser concluído com o ministro na pasta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.