Jockey é multado por corte de árvore

Cobrança, que chega a R$ 1 mi, se estende à Casa Cor, por maus-tratos e derrubada de quase 60 exemplares

Mônica Cardoso, O Estadao de S.Paulo

10 Agosto 2009 | 00h00

A Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente (SVMA) multou o Jockey Club de São Paulo e a Casa Cor em pouco mais de R$ 1 milhão por maus-tratos e a derrubada não autorizada de quase 60 árvores. As partes já procuraram a pasta para assinar um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) a fim de remediar os danos. No entanto, isso não anula o pagamento da multa estipulada pelos fiscais - R$ 500 mil ao Jockey e R$ 550 mil à Casa Cor. O único "benefício" do TAC para os infratores é a concessão de 10% de desconto sobre os valores. O Jockey perdeu o prazo para se manifestar sobre a autuação e recebeu uma nova multa, de R$ 50 mil, na sexta-feira. A blitz no Jockey foi realizada na manhã de terça-feira, depois que fiscais da Prefeitura receberam uma denúncia anônima sobre o corte irregular das árvores. Os técnicos constataram que os danos teriam sido feitos durante a instalação dos estandes da Casa Cor - mostra de arquitetura, decoração e paisagismo, realizado em São Paulo entre 26 de maio e 14 de julho. Segundo a secretaria, parte das árvores cortadas e/ou danificadas pertencia ao Jockey e o restante havia sido plantado pela própria Casa Cor. Procurado, o Jockey afirmou em nota que recebeu a multa por ser o proprietário da área, mas que ela foi repassada à Casa Cor. O clube acrescentou que a autuação ocorreu por danos causados a alguns exemplares que foram cercados por construções. Duas árvores pertencentes ao terreno foram arrancadas para serem replantadas pela Casa Cor. O Jockey não soube precisar nem a quantidade nem as espécies que sofreram danos. Já a Casa Cor apresentou versão diferente e negou a multa. "A própria SVMA constatou que não houve nenhuma árvore derrubada ou dano grave às árvores do local e reverteu a multa para um Termo de Ajuste de Conduta", disse Angelo Derenze, presidente da Casa Cor. Segundo ele, as árvores foram plantadas em condições de remoção, com as raízes protegidas por tecidos plásticos e seguindo os métodos de preservação da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Ao fim do evento, elas foram retiradas e plantadas em outros locais. Derenze explicou que a cenografia paisagística com árvores faz parte da montagem dos projetos há 23 anos. Por conta do grande número de paisagistas, a organização não soube dizer o número de árvores plantadas durante o evento. Esta foi a 4ª edição da Casa Cor no Jockey. Três eventos ocorreram simultaneamente: Casa Cor, Casa Hotel, para o setor de turismo, e Casa Kids, para decoração infantil. O tema foi Sustentabilidade, homenagem ao centenário do paisagista Roberto Burle Marx.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.