Jogo ficou duro para o PT

O segundo turno trouxe vantagens a José Serra e problemas a Dilma Rousseff, o que explica o abatimento da candidata e o clima de prostração na sua base, conforme admitiu o presidente do PT, José Eduardo Dutra. Do lado tucano, o resultado abriu a campanha aos políticos liderados pelos vitoriosos no primeiro turno, como Aécio Neves, Aloysio Nunes e Jorge Bornhausen - este apontado como um dos fatores da eleição do governador do DEM Raimundo Colombo, em Santa Catarina, onde Lula pediu ao eleitor que "extirpasse" o partido.

JOÃO BOSCO RABELLO, O Estado de S.Paulo

10 Outubro 2010 | 00h00

O PT luta para levantar o ânimo, mobilizando governadores e estimulando a militância. Mas também já vive o clima de disputa interna com o PMDB que cobra sua exclusão nas decisões de campanha e se vê obrigado a conviver com Ciro Gomes que classificou o partido como "um ajuntamento de assaltantes", chefiados por Michel Temer, o vice da aliança governista.

O que concentra mais a atenção do PSDB agora não é o debate sobre o aborto ou a conquista de Marina Silva, embora sejam importantes, mas os acordos internos, como o compromisso de Serra de não disputar a reeleição, abrindo caminho para Aécio Neves e Geraldo Alckmin em 2014.

Ambos têm força para dar a vitória a Serra em seus colégios eleitorais nos índices idealizados pelo tucano para o primeiro turno, quando a popularidade de Lula impôs um engajamento menor. O cenário indica que Minas já divide com São Paulo o poder político no PSDB.

Faltou sinceridade

Aceitar o debate plebiscitário sobre o aborto foi o grande erro cometido por Dilma Rousseff, na avaliação de políticos e analistas. Refém do sim ou do não, a candidata foi flagrada em contradição, o que se tornou mais importante eleitoralmente que o tema. "A verdade não dá voto, mas a mentira tira", resumiu um experiente político, ao referir-se à afirmação de Dilma de que sempre foi contra o aborto. Para a maioria, no mínimo, a candidata não passou sinceridade ao eleitor.

Ficha Limpa

O Supremo Tribunal Federal tende a concluir o julgamento da lei da Ficha Limpa fazendo prevalecer a decisão do Tribunal Superior Eleitoral pela sua vigência imediata. Mas não será surpresa se um ministro mudar seu voto a favor da lei, que já gerou seus efeitos para a presente eleição.

Sangria eleitoral

No primeiro turno, Dilma Rousseff (PT) resistiu ao uso de sua imagem com o neto Gabriel, no colo, no horário eleitoral. Na ocasião, apenas uma foto registrada pela equipe da campanha foi liberada para divulgação. O critério mudou, porém, com a inserção do tema aborto na pauta eleitoral. A imagem do neto foi ao ar no primeiro programa da candidata no segundo turno, para reforçar o discurso em defesa da vida. O PT se convenceu de que, mais que o escândalo da Casa Civil, o aborto provocou uma sangria na candidatura.

Sem telefone

Do ex-presidente do PSDB, deputado José Aníbal, irritado com o discurso do PT: "Tinha que tirar os celulares deles que ficam reclamando das privatizações".

Concentração

A candidata Dilma Rousseff está desde sexta-feira sob treinamento intensivo para o debate de hoje, o primeiro apenas entre ela e Serra. Com ela, José Eduardo Dutra, Ciro Gomes e o ministro Alexandre Padilha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.