Jogo virtual chega à etapa da vida real, em SC

Dois mil participantes começam hoje a ajudar 6 cidades catarinenses

Valéria França, O Estadao de S.Paulo

23 Julho 2009 | 00h00

Foram três meses de troca de e-mails, chats e encontros entres 2 mil jovens que tinham uma missão: ajudar a reconstruir as cidades catarinenses arrasadas pelas enchentes de novembro do ano passado. Anteontem, 250 desses jovens, provenientes de vários Estados brasileiros, chegaram a Blumenau (SC). Ficaram dois dias reunidos num estádio da região. Passaram por workshops e palestras preparatórias para hoje saírem rumo a outras cinco cidades -Itajaí, Ilhota, Itapema, Navegantes, Brusque -, onde vão colocar a mão na massa. Um grupo fica em Blumenau. Eles fazem parte do projeto Oásis, a primeira rede social pela internet, que pegou principalmente entre universitários. Funciona como uma gincana virtual, que tem como tarefa construir o sonho de uma comunidade. A cada novo projeto surge um Oásis. O de Santa Catarina (www.oasissantacatarina.ning.com) é o maior já aberto desde que a brincadeira começou, no final de 2008. Com uma proposta inicial de ser um jogo divertido do bem, as regras criadas nesse site organizam e capacitam os jovens para atuarem no mundo real. Nesse jogo há três categorias de grupos, os estudantes que colocam a mão na massa, as comunidades e os apoiadores. Esse último time é formado por internautas que ajudam a distância, dando auxílio técnico, jurídico ou até mesmo financeiro. "Cada um colabora do jeito que pode, dando seu melhor", diz o arquiteto Edgar Gouveia Júnior, mentor do jogo, construído a partir de sua experiência no Instituto Elos, ONG que dirige. As etapas do jogo são tão estimulantes e envolventes que os participantes fazem de tudo para conseguir chegar até a etapa final. Desempregada, a santista Laura Benites, de 24 anos, não tinha dinheiro para embarcar para Blumenau. Então, montou uma espécie de blog e fez uma vaquinha entre seus contatos. Explicou sua causa e levantou R$ 350. "Comprei roupas de frio, a passagem e ainda sobrou para a alimentação." Isaías Cano, de 23 anos, é um dos 40 universitários da Unicamp que conseguiram fretar um ônibus para Blumenau. Parte da verba eles conseguiram com a diretora da Faculdade de Engenharia de Alimentos do câmpus. Isaías embarca amanhã para Itapema. "Ali, ajudaremos duas comunidades", explica ele, que antes de embarcar recebeu dos moradores os principais desejos em relação ao local onde moram. "Eles pediram um espaço físico sustentável. Estamos pensando numa cooperativa com uma atividade econômica de geração de renda. Entre as ideias está uma de catadores de papel." O grupo ainda se comprometeu a construir um parquinho e duas praças. Tudo isso até o dia 29, quando retornam todos os participantes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.