Jóias sacras do século 18 são roubadas na Bahia

Seis castiçais de prata, 13 coroas de ouro e prata com pedras semi-preciosas incrustadas e umresplendor de ouro maciço, peças dos séculos 18, foram roubados anteontem da Catedral de Santo Antônio, em Caravelas, a 822 quilômetros da capital baiana. O material foi avaliado extraoficialmente por membros da Irmandade de Santo Antônio, que administra a catedral, em mais de R$ 2 milhões.A polícia de Caravelas organizou barreiras nas estradas de acesso à cidade, mas as peças não foram encontradas em nenhum dos veículos vistoriados. Policiais acreditam que os ladrõesconseguiram fugir em direção ao Espírito Santo, cuja divisa com a Bahia fica situada a poucos quilômetros de Caravelas.Não há pistas sobre a identidade dos ladrões masmoradores da cidade acreditam que as peças sacras foram levadas por um casal de turistas que rondava a catedral há alguns dias. Eles circulavam pelo município num carro pampa, de cor cinza.Os fiéis notaram a falta das peças na manhã de ontem, quando a igreja foi aberta para a missa matutina. A presença dos fiéis no local do crime antes da polícia acabou prejudicando o trabalho dos peritos da Delegacia de Caravelas, que não encontraram nenhuma pista dos ladrões.Construída entre 1725 e 1750, a Catedral de SantoAntônio, apesar de sua importância histórica, não é tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Tem interior e fachada em estilo neoclássico. As peças roubadas adornavam as imagens de santos do templo e também eram usadas nas procissões promovidas pela Irmandade de Santo Antônio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.