Reprodução.
Reprodução.

Jornal de central sindical prega apoio a Dilma

Publicação da CTB, com tiragem de 75 mil exemplares, foi impressa na mesma gráfica de panfleto pró-tucano

Fausto Macedo, O Estado de S.Paulo

20 Outubro 2010 | 00h00

A Editora Gráfica Pana, que imprimiu 1 milhão de cópias do panfleto anti-Dilma intitulado Apelo a todos os brasileiros e brasileiras - por encomenda da Diocese de Guarulhos - também produziu 75 mil exemplares do Jornal da CTB, da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil, com apoio explícito à candidatura de Dilma Rousseff (PT) à Presidência.

Na capa da edição número 18 do jornal aparecem a presidenciável e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva lado a lado. Abaixo, o título "O desafio do 2.º turno". A CTB, fundada em 2007, agrega 750 sindicatos. O jornal tem 4 páginas. À página 2 o título "Dilma: para o Brasil continuar no rumo certo". O texto diz: "A CTB volta a lembrar que é preciso estar alerta e não se esquecer o que significa a volta daqueles que representam o projeto neoliberal entreguista, que governa para poucos, jogando seus prejuízos nas costas da classe trabalhadora. Algo já presenciado nos governos anteriores, com destaque para a era FHC, que promoveu o desmonte do Estado."

Na 3, um artigo de Wagner Gomes, presidente da central. Ele afirma: "Ao contrário do que apregoa grande parte da mídia golpista, a eleição de Dilma para a sucessão do presidente Lula não está ameaçada". Gomes defende grande mobilização da militância no segundo turno para garantir a vitória da petista. "A CTB estará na linha de frente dessa batalha. Serão quatro semanas de militância contínua, para eleger Dilma Rousseff e, assim, garantir que o Brasil continuará ampliando as conquistas iniciadas pelo presidente Lula."

A nota fiscal da Pana, emitida em 6 de outubro, mostra que o serviço custou R$ 5.296 - pagamento previsto para 3 de novembro. "Esse trabalho só comprova que somos apartidários, não temos de f ato nenhuma vinculação política", desabafou o empresário Paulo Ogawa, dono da Pana.

Durante todo o dia de ontem, Ogawa recebeu manifestações de solidariedade de amigos e clientes. Domingo passado, por ordem do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), agentes da Polícia Federal recolheram no galpão da gráfica, no Cambuci, 12 toneladas do panfleto feito a pedido da Diocese de Guarulhos com recomendação "a todos os cidadãos e cidadãs brasileiros e brasileiras para que, nas próximas eleições, deem seu voto somente a candidatos ou candidatas e partidos contrários à descriminalização do aborto".

Ex-proprietário do Jornal Paulista, empresário prestigiado na colônia japonesa, Paulo chegou a ser acusado pelo PT de ter sido assessor de José Serra no Ministério da Saúde - informação desmentida pelo próprio PT. "Tudo o que produzo aqui é formalmente declarado à Receita e à Justiça Eleitoral", destaca Ogawa, de 64 anos. "Sempre trabalhei honradamente, não iria me sujar por nada a essa altura de minha vida."

Ele se indignou com a versão de que sua gráfica é ligada a tucanos. "Não está escrito na minha porta que atendemos apenas tucanos, atendemos também centrais sindicais e o próprio PT", assinalou Ogawa. Nessa campanha ele imprimiu jornais a pedido dos deputados petistas Paulo Teixeira e Simão Pedro.

Eduardo Navarro, secretário de Imprensa e Comunicação da CTB, afirmou que a central fez declaração de voto em Dilma, mas não está apoiando a petista. "Apoio significa estrutura e dinheiro e isso não estamos dando", anotou Navarro.

O secretário explicou, ainda, que as centrais sindicais decidiram elaborar uma carta-programa a todos os candidatos. "Aquele que mais se aproximasse das propostas da carta receberia nossa declaração de voto. Estamos nos baseando numa decisão da direção da CTB e em consulta jurídica que fizemos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.