Jornalista que estava no Legacy levanta dúvidas sobre voo 447

Passageiro do avião que se chocou com Boeing da Gol em 2006 questiona trabalho dos controladores brasileiros

03 de junho de 2009 | 11h34

O jornalista americano Joe Sharkey, um dos passageiros do jato Legacy que se chocou com um avião da Gol em 2006, colocou em dúvida a atuação do controle de tráfego aéreo brasileiro durante o desastre com o avião da Air France que fazia o voo 447.

 

Sharkey, que fez duros ataques às autoridades brasileiras e aos familiares das vítimas após o acidente com o Legacy, questiona em seu blog que a localização do Airbus no momento do acidente deveria ser conhecida caso ele estivesse sob a área de controle do País.

 

Veja também:

lista Todas as notícias sobre o Voo 447

lista Lista de brasileiros que estavam no voo

lista Lista de todos os passageiros que estavam no voo

blog Blog: histórias de quem quase embarcou

especial Conheça o Airbus A330 desaparecido no trajeto Rio-Paris  

blog Acompanhe a cobertura pelo blog Tempo Real

som Podcast: Especialista não tem dúvidas de que avião da Air France caiu no mar

especial Cronologia dos piores acidentes aéreos dos últimos dez anos

mais imagens Veja Galeria de fotos

mais imagens Galeria: famílias de vítimas

mais imagens Galeria: buscas

especial Anac monta sala no Galeão para familiares; veja telefones de contato

video Entenda a operação que localizou destroços

video TV Estadão: Especialista fala sobre o acidente

linkLula faz homenagem a vítimas do voo 447

linkPF vai colher DNA para identificar vítimas, diz Jobim

linkApenas 4 minutos da 1ª pane até a queda

linkQueda livre e sistema em pane são únicas certezas do Voo 447

linkSubmarino que achou Titanic buscará caixa-preta

linkProfundidade na área dos destroços chega a 3 mil metros

linkJobim crê que ainda é possível achar caixa-preta, diz Lula

 

 

O jornalista também coloca em dúvida a informação de que nenhum pedido de socorro teria sido enviado pelos pilotos aos controladores, o que seria esperado a menos que o avião "explodisse de repente".

 

"Por que não houve nenhum pedido de socorro? E se houve, porque ele não foi recebido? Se foi recebido, e essa é uma questão que os jornalistas deveriam estar perguntando, ele foi recebido e não ouvido? Ou foi ouvido e não considerado?", diz.

 

Sharkey sugere seis pontos que devem ser observados em relação ao desastre, como o conhecimento, pelos controladores, da tempestade que se aproximava, e o número de controladores que acompanhava o Airbus acidentado. "O controle de tráfego perdeu o contato do voo quando deveria estar o acompanhando? E por que a falta de contato com o avião durante quatro horas não disparou um alarme?", dispara.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.