Jornalista reconhece jovem preso por atentado em Brasília

Polícia investiga a mando de quem suspeito atirou contra Amauri Júnior na barriga

26 Setembro 2007 | 19h49

A Polícia Civil prendeu nesta quarta-feira o principal suspeito do atentado contra o jornalista Amaury Ribeiro Júnior, atingido com um tiro na barriga, na Cidade Ocidental, a 48 quilômetros de Brasília, quando apurava reportagem para o jornal Correio Braziliense, sobre o avanço do tráfico de drogas na periferia da capital do País. O acusado, Fábio Gonçalves, de 19 anos, foi levado para Goiânia, onde está detido para interrogatórios. A polícia quer saber a mando de quem ele tentou matar o jornalista, que reconheceu o suspeito nesta tarde. Fábio, que tem vasta ficha criminal, apesar da pouca idade, foi preso em sua residência, na cidade satélite do Paranoá. Suas informações são consideradas valiosas para o desmantelamento da rede de quadrilhas que atuam no chamado Entorno de Brasília, região onde os índices de violência explodiram nos últimos anos, em razão do inchaço populacional, combinado com escassez de empregos e ausência do Estado. A região foi selecionada pelo governo federal como um dos 11 bolsões de violência que receberão ações do Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci). Amaury fazia uma série de reportagens sobre a escalada da violência quando, no dia 15 de setembro último, foi baleado por Fábio dentro de um bar. O jornalista foi socorrido e recebeu alta na semana passada. Enquanto as ações do Pronasci não começam, o Ministério da Justiça decidiu mandar para a região um contingente de 500 a 600 homens da Força Nacional de Segurança Pública, a pedido dos governos de Goiás e do Distrito Federal. Nesta quinta-feira, às 14h, o secretário nacional de Segurança Pública (Senasp), Antônio Carlos Biscaia, reúne-se com representantes dos governos das duas Unidades da Federação para definir a atuação da Força. Serão acertadas questões de logística, como alojamento, alimentação e transporte da tropa. Os primeiros 150 homens já chegaram a Brasília, procedentes do Rio e realizam uma missão precursora na região do Entorno, a fim de preparar o planejamento das ações, que serão desencadeadas nos próximos dias em conjunto com as polícias militares de Brasília e de Goiás.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.