Epitácio Pessoa/Estadão
Epitácio Pessoa/Estadão

Jornalistas e colegas destacam pioneirismo de Alberto Tamer

Ele trabalhou por mais de 50 anos no 'Estado', onde se destacou na cobertura de assuntos econômicos

Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

19 Maio 2013 | 15h17

SÃO PAULO - Amigos e colegas de profissão destacaram na tarde deste domingo, 19, o legado do jornalista Alberto Tamer na luta por um jornalismo econômico acurado, claro e objetivo, de fácil acesso mesmo para pessoas pouco familiarizadas com o tema. Muitos também lembram da grande capacidade do profissional de acessar variadas mídias sempre com didatismo. Aos 81 anos, Tamer morreu hoje em São Paulo de insuficiência cardíaca.

Contemporâneo da trajetória do jornalista, o também colunista do Estadão Celso Ming, lembra que Tamer foi um dos primeiros jornalistas multimídia, que trabalhou em jornal, rádio e TV. "Ele conseguiu popularizar os conceitos econômicos para que as pessoas não fossem ludibriadas e ajudou a popularizar a economia para que elas pudessem se defender bem nesse campo", disse no velório de Tamer, que ocorrer nesta tarde no Cemitério do Morumbi, em São Paulo.

O jornalista Carlos Alberto Sardemberg lembra que mesmo se atendo sempre aos fatos, Tamer deu grande contribuição para a formação de opinião econômica, ao finalizar a notícia com comentários. O colega de profissão na área econômica também destacou o pioneirismo de Tamer na entrada da mídia eletrônica. "A linguagem muda, é um publico mais amplo e ele fez isso de forma simples, sem vulgarizar a informação", disse

Antonio Gaspar, jornalista que trabalhou com Tamer no programa Pergunte ao Tamer, destacou também a exigência do Tamer com a qualidade das informações, que resultasse sempre em um texto sofisticado e ao mesmo tempo de fácil compreensão. Lourenço Dantas Mota lembrou ainda da forte influência que Tamer gerou com o programa Meu Rico Dinheirinho, na rádio Jovem Pan. "Foi uma contribuição muito importante na época em que o País vivia a hiperinflação.

Louis Bazire, presidente do BNP Paribas no Brasil, banco que é cliente da assessoria de comunicação da família Tamer, diz que ao conhecer o jornalista ficou também impressionado a cultura do jornalista. "Conheci poucos homens com uma cultura literária francesa como a de Alberto Tamer", disse o executivo. Essa qualidade, diz o colega Theo Carnier, sempre foi acompanhada de humildade. "Ele falava com todos, desde Júlio Mesquita até os focas", lembrou.

Outros colegas de jornalismo no Estadão também prestaram homenagem ao jornalista nesta tarde e lamentaram a perda. "Vai com ele um pouco da história do jornalismo econômico do Brasil", disse o editorialista do jornal, Jorge Okubaro. Rolf Kuntz, ressaltou a tenacidade do profissional apesar da idade avançada.

"Bateu o ponto na cobertura econômica até onde pôde, com grande senso do que era notícia", comentou. O editor do caderno Economia & Negócios do Estadão, Ricardo Grinbaum destacou que foi um privilégio trabalhar com Tamer nos últimos anos. "Sempre foi muito crítico, alerta e incansável", disse. Também jornalista econômico do Estadão, José Paulo Kupfer diz que Tamer é uma referência na área econômica e foi "pioneiro de vanguarda". "Ele escreveu até o fim da vida e sempre de maneira moderna", diz ao revelar que também foi influenciado pelo jornalista. "Bebi nesta fonte o tempo todo", disse.

Tamer trabalhou por mais de 50 anos no jornal "O Estado de S. Paulo", onde foi editorialista, colunista e se destacou na cobertura de assuntos econômicos. Conforme informações do Portal dos Jornalistas, Tamer foi comentarista e apresentador nas rádios Jovem Pan e Eldorado e nas tevês SBT, Manchete e Bandeirantes.

Mais conteúdo sobre:
Alberto Tamer morte

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.