Jovem acusada de matar mãe queimada é presa em Fortaleza

Segundo polícia, estudante universitária de 21 anos confessou ter assasinado a mãe adotiva no dia 23 de julho

Carmem Pompeu, O Estado de S.Paulo

15 Agosto 2008 | 17h20

A Polícia cearense prendeu na manhã desta sexta-feira, 15, a estudante universitária Lara França Rocha, de 21 anos, acusada de matar a mãe adotiva. Lara estava na casa de uma amiga na Praia do Futuro. Às 9 horas, ela foi para o Instituto Médico Legal fazer exame de corpo de delito. A estudante confessou ter ateado fogo na mãe adotiva, Iracema Carvalho Lima, de 78 anos, no dia 23 de julho.   Lara cursa Jornalismo, na Universidade de Fortaleza (Unifor), e Letras, na Universidade Estadual do Ceará (Uece). De acordo com investigações da Polícia, ela costumava fazer gastos muito altos com o cartão de crédito da mãe. O médico Edmar Maciel, sobrinho da vítima e diretor do Centro de Tratamento de Queimados do Instituto Dr. José Frota (IJF), disse que Lara chegou a gastar R$ 18 mil com o cartão. Por causa da dívida, Iracema vendeu a casa onde morava e foi morar no apartamento onde foi morta.   O crime aconteceu em julho, mas só foi revelado esta semana depois que a polícia encerrou o inquérito e indiciou Lara por homicídio doloso - quando há intenção de matar. A mãe da garota chegou a ser socorrida por vizinhos do apartamento onde morava, no bairro de Fátima. Mas não resistiu e acabou morrendo.   Segundo investigações policiais, os indícios apontam para crime premeditado. A estudante havia comprado um litro de gasolina, uns dois ou três dias antes. Ela teria jogado o combustível na cama sob a rede, onde a mãe dormia, e em um sofá que existia no mesmo quarto. Em seguida, improvisou uma tocha com um pedaço de cartolina e ateou fogo à cama e ao sofá.

Mais conteúdo sobre:
polícia Fortaleza

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.