Jovem baleada e estuprada no PR pode ficar paraplégica

Namorado da vítima morreu ao tentar impedir crime; Polícia Civil ainda investiga, mas não prendeu ninguém

Julio Cesar Lima e Elvis Pereira, O Estado de S.Paulo e estadao.com.br

04 Fevereiro 2009 | 18h20

O quadro da jovem baleada e violentada no sábado, 31, em Matinhos, no litoral do Paraná, permanece estável, segundo boletim médico divulgado no fim da tarde desta quarta-feira, 4, mas ela pode ficar paraplégica. M.P.L, de 23 anos, é mantida na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Vita, em Curitiba, e ainda respira com a ajuda de aparelho. De acordo com o hospital, por usar os aparelhos, ela ainda não pôde ser submetida a uma avaliação neurológica definitiva.   Veja também: Homem que baleou casal não disse que era guia turístico    Os exames neurológicos vão definir a lesão provocada por um dos dois tiros que atingiu o canal medular da vítima. Esse projétil pode prejudicar a mobilidade da estudante. Nesta quarta, o equipamento que auxilia M.P.L a respirar foi desligado por algumas horas. "A paciente demonstrou raciocínio normal, porém a dificuldade em respirar fez com que o equipamento fosse religado", explicou o hospital. Um novo boletim médico sobre o estado da jovem deverá ser divulgado no fim da tarde de quinta, 5.   A Polícia Civil do Estado continua investigando o caso. Segundo a Secretaria de Segurança Pública do Estado, até as 13 horas desta quarta, 4, ninguém havia sido detido e não havia novas pistas que ajudassem nas apurações.O pedaço da camiseta encontrada no local do crime foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) de Curitiba, para que, a partir das manchas de sangue nela, seja encontrado o DNA que identifique o suspeito.   Abuso   O crime ocorreu no sábado, quando M. e seu namorado, de 22 anos, faziam uma trilha no Morro do Boi, em Caiobá. Os namorados pediram informações de como chegar a uma praia a um desconhecido, que se ofereceu a levá-los. Ao chegarem à praia, o homem tentou estuprar a jovem dentro de uma gruta e seu namorado foi tentar impedi-lo. O desconhecido atirou e atingiu o namorado de M. no peito.   Depois, ela tentou fugir da gruta, mas o criminoso deu dois tiros, que a atingiram nas costas. Impossibilitada de andar, M. foi violentada pelo homem mais tarde naquele mesmo dia. A família acionou o Corpo de Bombeiros no domingo, preocupado com o sumiço do casal. As equipes de resgate, juntamente com o pai do jovem que acompanhava as buscas, encontraram o casal por volta da 13h30.   Uma embarcação do Corpo de Bombeiros foi utilizada para levar a jovem até a Praia Mansa de Caiobá, de onde ela seguiu numa ambulância do Siate até o quartel de bombeiros de Matinhos, sendo encaminhada na sequência de helicóptero até o Hospital Regional de Paranaguá. Na segunda, M. foi transferida para o Vita, a pedido da família.   Semelhança   Em Foz do Iguaçu, no extremo oeste do Paraná, um crime similar também chocou a população. A polícia da cidade encontrou na noite da última segunda-feira o corpo de Thiago Rodrigo Wette, de 21 anos, assassinado com um tiro na cabeça após ser violentado.   Naquela noite, segundo testemunha ligada à família, o rapaz saiu com a irmã de 13 anos quando foram abordados por um homem armado que os levou para um terreno baldio e abusou sexualmente dos dois. A garota não foi morta porque conseguiu fugir a tempo.   Segundo o delegado Fábio Amaro, da Delegacia de Homicídios e responsável pela investigação, o suspeito pode ser da região. "É possível que ele seja do bairro ou de algum local próximo, pois analisamos algumas imagens de vídeos dos condomínios próximos e percebemos que ele desviou de todos. Ele conhece bem a área onde agiu", disse. A polícia aguarda também um perito de Curitiba para que possa ser feito o retrato falado do criminoso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.