Jovem de 17 anos que fugiu há 5 dias de SP é encontrada no Rio

J., casada, segundo os pais, tinha ido se encontrar com o namorado na capital fluminense e não avisou família

Talita Figueiredo, O Estado de S.Paulo

28 Outubro 2008 | 19h05

Uma estudante paulistana de 17 anos fugiu de casa há cinco dias para encontrar o namorado, um estudante e músico carioca da mesma idade, no Rio. J.M., que segundo a polícia é uma jovem de classe média alta e casada, foi encontrada por seus pais com a ajuda da Polícia Militar na casa de W.S. que fica ao pé do morro do Chapadão, na Pavuna, zona norte da capital fluminense. O casal namorava pela internet havia dois anos. A polícia não fez registro do caso, já que ambos afirmaram que a relação era consensual e que não houve delito.   A menina foi encontrada depois de seus pais descobrirem, no site de relacionamento que ela usa, sobre o namoro. Para encontrar o rapaz não foi difícil. O pai de W., José Leite, de 38 anos, é motorista de van e ficou surpreso ao ver equipes da PM na porta de sua casa em busca de uma menina desaparecida. "Eu nunca fiz nada para ter a polícia na minha casa e conheço o filho que eu criei. Fiquei assustado quando me disseram que tinha uma menina aqui que fugiu de casa. Eu sabia que eles namoravam, porque meu filho sempre falava dela, de estar apaixonado. Ela chegou aqui domingo, ligou da rodoviária, dizendo que veio visitar. O que ele ia fazer? Deixar lá? Não, trouxe para casa, porque esta é uma casa de família", contou Leite.   O motorista disse que nem desconfiou que ela houvesse fugido, tendo em vista que estava muito tranqüila e disse que ia apenas ficar por um tempo. Os pais da jovem, que não tiveram o nome revelado pela polícia, a levaram para São Paulo momentos depois de encontrá-la. Eles conversaram com Leite e "deram graças a Deus que ela não caiu em mãos erradas". Foi por meio dos pais dela que W. soube que ela era casada e fugiu de casa para ficar com ele.   "Agora, os dois estão sofrendo. Filho é assim, a gente cuida, mas não sabe o que estão fazendo 24 horas por dia. Não se pode ficar no de deles o tempo todo", aconselha. O delegado da 39ª Delegacia de Polícia, Eli de Andrade, disse que não houve crime de nenhuma das partes mas fez um alerta aos pais. "É necessário ficar atento ao que os filhos fazem na internet".

Mais conteúdo sobre:
paixão Rio polícia São Paulo estudantes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.