Reprodução/Twitter
Reprodução/Twitter

Jovem de 18 anos é o sétimo preso suspeito de participação na morte do jogador Daniel

Ele foi detido no condomínio de luxo onde mora, em São José dos Pinhais

Eduardo Fonseca, especial para O Estado

15 Novembro 2018 | 15h22

CURITIBA - A Polícia Civil de São José dos Pinhais, região metropolitana de Curitiba, prendeu na manhã desta quinta-feira, 15, o sétimo suspeito de ter participado do assassinato do jogador Daniel Corrêa de Freitas, na noite de 26 de outubro. Desta vez foi preso o jovem Eduardo Purkote, de 18 anos, no condomínio de luxo onde mora, em São José dos Pinhais.

Além de Purkote, já estão presos Edson Brittes Júnior, que confessou ser o autor do homicídio; a mulher dele, Cristiana Brittes, e a filha, Allana Brittes, acusadas de coagirem as testemunhas; e ainda os jovens Eduardo Henrique Ribeiro da Silva, de 19 anos;  David William Vollero Silva, de 18 anos; e Igor Kin, de 20 anos, por terem participado do espancamento e da execução de Daniel.

“Foram várias pessoas que espancaram o jogador. Ele esteve na mão de quatro ou cinco espancadores e alguns depoimentos nos levam a afirmar que mais pessoas participaram da agressão dentro da casa. Quanto ao local do crime, já ficou delineado quem auxiliou o Edison", explicou o delegado Amadeu Trevisan.

Daniel tinha 24 anos, teve uma passagem pelo Coritiba em 2017, pertencia ao São Paulo e estava emprestado ao São Bento de Sorocaba. O jogador aproveitou que não estava relacionado para um jogo do São Bento e veio a Curitiba para participar da festa de aniversário de Allana.

Ele foi morto pelo pai da aniversariante após postar fotos em uma rede social na cama do dono da casa, com a mulher dele dormindo. Depois disso ele foi espancado, colocado no porta-malas de um carro e levado para uma área rural, onde foi mutilado e morto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.