Jovem é mantida refém pelo marido por mais de 4 h

Agressor foi dominado e vítima sofreu ferimentos leves

Silvia Song, O Estadao de S.Paulo

20 Outubro 2008 | 00h00

Durante a madrugada de ontem, Camila Oliveira Mani foi vítima de um seqüestro em Itapecerica da Serra, na Grande São Paulo. A jovem de 20 anos foi mantida refém pelo marido, Thiago Rodrigues de Arruda, de 23 anos, das 4 horas às 8h40, numa operação que envolveu a Polícia Civil e o Gate. Segundo uma tia de Camila, que não quis ser identificada, a briga entre o casal começou quando Thiago voltou de um churrasco embriagado. "Ela é vendedora e trabalha demais e ele está desempregado há dois meses. Não faz nada durante o dia, o que deixa minha sobrinha revoltada", afirmou. Ao se deparar com o marido naquela condição, Camila deu um tapa no rosto dele e tentou ir para a casa dos pais. A discussão ficou cada vez mais acalorada e os vizinhos, incomodados pelo barulho, chamaram a Polícia Civil. "Quando Thiago viu a movimentação no quintal, pegou uma faca e começou a ameaçar Camila. Ficou descontrolado", disse a tia. Camila afirmou que seu marido ficou tão nervoso com a presença das soldados que não parava de dizer que a polícia iria matá-lo. Depois, a golpeou na testa com o cabo da faca, dizendo para que ninguém tentasse invadir a casa. Segunda ela, o Gate não conseguiu entrar num acordo com Thiago, que somente abriu a porta para seu tio, um policial civil. Nesse momento, ele foi dominado pelos policiais e encaminhado para a Delegacia de Itapecerica da Serra. Camila dirigiu-se ao pronto-socorro da região central do município. Ela ficou em observação por 24 horas e tratou de pequenos cortes na mão e no pescoço. No fim da tarde, foi constatado um leve traumatismo craniano. "Ele não é uma má pessoa, só perdeu o controle em um momento. Ainda não sei o que vou fazer com tudo isso", afirmou Camila. Na delegacia, Thiago, que foi indiciado por cárcere privado e lesão corporal, dizia-se "muito arrependido". PRAIA GRANDE Na Praia Grande, no litoral sul do Estado, um homem invadiu uma casa às 19 horas de ontem. Ele manteve uma família refém. Logo depois, libertou duas crianças. Dois advogados e policiais da Rota participaram das negociações. Às 23 horas, ele se entregou e foi preso. O homem é suspeito de ter participado ontem da execução de um policial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.