Reuters
Reuters

Jovem fica 6 dias em mata após alucinação por uso de drogas

Eric Geovane estava em uma rave em Camaçari (BA), mas fugiu porque achava que estava sendo perseguido; para sobreviver, ele bebeu água da chuva e comeu até formigas

Heliana Frazão, Especial para O Estado

14 de junho de 2017 | 21h16

O jovem Eric Geovane, de 22 anos, passou seis dias desaparecido no mato, após participar de uma rave, na região de Vila de Abrantes, município de Camaçari, litoral norte da Bahia. Ele foi localizado no último sábado, 10, muito abatido e ainda desnorteado, a cerca de cinco quilômetros do local de onde desapareceu. O rapaz contou que fugiu para o mato ao deixar o local da festa, em meio a um surto provocado por drogas sintéticas.

Geovane admitiu ter abusado do uso de LSD, além de ter ingerido ecstasy. Ele disse que não usou bebidas alcoólicas durante a festa. O jovem contou que, para sobreviver no mato, improvisou abrigos, bebeu água da chuva, comeu frutas e até formigas. Ele tem noções de sobrevivência no mato, porque costuma participar de trilhas na Chapada Diamantina.

O jovem sumiu ao final da festa, quando retornaria de carro para casa, em companhia de quatro amigos, com quem viajou de Irecê, no norte do Estado, onde reside com a família. Ele disse que fugiu porque, em meio a uma alucinação, acreditava que estava sendo perseguido. “Foi tudo provocado pelas drogas”, admite.

Geovane conta que essa foi uma “dura experiência, mas que valeu como aprendizado”, que ele levará para o resto da vida. Garante estar decidido a não mais usar drogas e recomenda o mesmo a outros jovens.

“O que aconteceu comigo pode acontecer com outra pessoa, que pode não ter a mesma sorte que eu tive, de ser encontrado com vida”, disse, lembrando que usou a droga acreditando ser algo recreativo.

Na mesma festa um turista de São Paulo morreu em razão de uma parada respiratória e outro foi picado por uma cobra jararaca. O jovem ferido precisou ser internado, mas já está em casa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.