Jovem morre após ser baleado em festa em Porto Alegre

Segundo a polícia gaúcha, briga teria provocado a expulsão de um grupo, que voltou armado para festa

Wálmaro Paz, especial para O Estado de S.Paulo

20 Outubro 2008 | 21h38

O estudante de Direito, Igor Santos Carneiro, de 18 anos, morreu na madrugada desta segunda-feira, 20, quando foi constatada sua morte cerebral no Hospital de Pronto Socorro, em Porto Alegre. Ele fora ferido por um tiro na nuca, na madrugada de domingo. Este foi o resultado de uma confusão generalizada no final de uma festa na sede Associação dos Funcionários do Internacional (Asfinter), ao lado do Estádio Beira-Rio. Outro homem, Marcelo Garcia Cardoso, de 33 anos, também foi ferido por um disparo na axila esquerda, mas foi liberado depois de medicado.   A direção do hospital informou que a família de Igor decidiu doar os seus órgãos para transplante. No entanto, somente as córneas puderam ser aproveitadas pois a autorização para a doação foi feita somente pela manhã e a morte cerebral ocorreu durante a madrugada. Depois dos procedimentos médicos o corpo foi levado para o Cemitério Jardim da Paz onde foi velado durante todo o dia. O enterro ocorreu ao entardecer.   A polícia ainda apura as circunstâncias do crime, sem suspeitas sobre o autor do disparo que matou o jovem. Conforme a Brigada Militar, acionada pouco depois das 4h30, um grupo, que teria sido retirado da festa pela segurança, minutos antes, por provocar uma briga, voltou supostamente armado.   Os familiares de Igor cobram uma investigação rigorosa do caso pela Polícia gaúcha. Seu tio, Marco Aurélio Cunha afirmou que "o jovem era uma pessoa de paz e nunca se envolvera em confusões". Segundo ele esta tragédia não pode ficar impune.   Igor cursava o segundo semestre na PUC-RS e era estagiário em um escritório de advocacia. A festa do último sábado era mais uma entre os amigos da faculdade e do Colégio Farroupilha, onde havia se formado no ano passado.

Mais conteúdo sobre:
Porto Alegre polícia PUC-RS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.