Jovem morre em cruzeiro de estudantes

Isabella Negrato, de 20 anos, passou mal a bordo após beber

Simone Mennochi e Clarissa Thomé, O Estadao de S.Paulo

21 de dezembro de 2008 | 00h00

A estudante de direito Isabella Baracat Negrato, de 20 anos, morreu na tarde de anteontem em Ilhabela, litoral norte paulista, a bordo no navio MSC Opera. Ela participava de um cruzeiro universitário com outros 1.800 passageiros, que partiu do Porto de Santos na quinta-feira com destino ao Rio de Janeiro. Segundo informações dadas por testemunhas à Polícia Federal, Isabella, que vive em Bauru, no interior, começou a passar mal às 16h30 de sexta-feira, após ingerir bebida alcoólica em excesso. Ela foi levada ao hospital do navio, onde os médicos tentaram reanimá-la. Mas a estudante não teria reagido aos medicamentos e morreu. Companheira de cabine da jovem, Lisa Pereira informou à polícia que Isabella bebeu muito, mas não usou entorpecentes. Ela já teria sido atendida antes no navio, também por bebida em excesso.Policiais foram até o navio e constataram que não havia ferimentos no corpo da estudante, encaminhado ao IML de São Sebastião, também no litoral. Segundo o delegado Múcio Monteiro, é cedo para apontar as causas da morte. "As vísceras serão encaminhadas para perícia." O caso foi registrado como morte suspeita.O pai de Isabella, o endocrinologista Antonio Carlos Negrato, entrou em choque ao saber da morte da filha e teve de ser internado. A mãe da jovem, acompanhada de parentes, foi ao litoral norte para reconhecer o corpo, que foi liberado pela manhã e chegou a Bauru às 17h40 de ontem. O velório começaria às 20 horas. O enterro deve ser realizado hoje.Em nota, a MSC afirma que "o médico responsável, vendo a situação delicada, solicitou o desembarque imediato. Porém a passageira veio a falecer durante o desembarque". A empresa afirma que "prestou todo o atendimento necessário e, em respeito e solidariedade à família da hóspede, não comentará detalhes do falecimento".Passageiros que estavam no navio começaram a desembarcar ao meio-dia de ontem no Rio. Muitos nem sabiam do acontecido. Outros contaram que a intensa programação musical do cruzeiro não foi interrompida. Durante a viagem, houve festas animadas por DJs e shows com as bandas Eva, Inimigos da HP, Jammil e Uma Noites, Jeito Moleque e Revelação. "Soube que uma passageira passou mal, mas os monitores me disseram que ela não tinha morrido, talvez para não estragar a festa. Parece que foi a combinação de remédios e bebidas", disse uma passageira. A Assessoria de Imprensa da Forma Turismo, que organizou o cruzeiro universitário, informou que é o primeiro caso de morte registrado em seus passeios - essa era a quinta edição da festa, já realizada em outros navios. Para participar, era preciso ter mais de 18 anos e cursar faculdade. Segundo a empresa, houve revista da PF antes do embarque."Tinha um detector de luz que identificava se o passageiro estava levando bebida alcoólica. Eu estava com uma garrafa de whisky e não pude levar", diz Tiago Lima, de 31 anos, estudante de Gestão de Tecnologia da Informação. A MSC não informou se havia venda de bebida alcoólica no navio.A família deverá pedir explicações formais sobre as circunstâncias da morte da jovem. Segundo Rogério Negrato Castro, primo da estudante, ela era saudável e não apresentava indício de ser usuária de drogas. Ele diz que a família buscará saber detalhes do que antecedeu à morte de Isabella, confirmar se ela bebeu em excesso e, principalmente, se ingeriu drogas e em que condições. COLABOROU JAIR ACEITUNO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.