Jovem que obrigou dupla pular de trem obtém liberdade

O Superior Tribunal Federal (STF) concedeu liberdade a Danilo Gimenez Ramos para que responda em liberdade por crime de homicídio duplamente qualificado e outro, igualmente qualificado, de atentado. No dia 7 de dezembro de 2003, Ramos e mais dois rapazes perseguiram e teriam ameaçado dois jovens dentro de um trem da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). Acuados, os dois rapazes foram obrigados a saltar de um trem em movimento, de uma altura de três metros. Cleiton da Silva Leite, de 19 anos, morreu. Flávio Augusto do Nascimento Cordeiro teve um braço amputado. O trio, formado ainda por Juliano Aparecido de Freitas e Vinícius Parizato, foi identificado pela polícia como integrante do movimento skinhead. Os três foram indiciados por crime de homicídio triplamente qualificado e outro, igualmente qualificado, mas apenas tentado. Juliano e Vinícius foram presos, mas Danilo ficou foragido até dezembro de 2004, quando obteve liminar que lhe garantiu liberdade provisória. Agora, obteve o benefício em última instância. Juliano Aparecido de Freitas e Vinícius Parizato também estão em liberdade desde agosto de 2005, quando pleitearam e conseguiram benefício igual ao de Danilo. O Ministério Público havia pedido prisão preventiva dos três acusados para assegurar a aplicação da lei penal e para garantir a integridade física das testemunhas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.