Jovens colocam a mão nas pick-ups e aprendem a ser DJ´s

Eles são os astros das pistas. Com suas pick-ups e vinis fazem todo mundo dançar e se divertir. Os DJ´s são referência nas festas, especialmente para quem gosta de música eletrônica. Alguns jovens não querem apenas dançar ao comando do Disc Jóquei, e sim colocar a mão na massa, ou melhor nos toca-discos, e se inscrevem em um curso de DJ. Existem escolas especializadas em ensinar técnicas de mixagem, produção, performance e todas as outras coisas que envolvem o trabalho de um DJ. Mas antes de falar do curso, vamos por partes. Primeiro, o que faz um DJ? Há muito tempo o Disc Jóquei deixou de ser visto como alguém que simplesmente troca uma música por outra. Hoje eles têm status de estrelas e muitos arrastam multidões para shows e festivais, como o Skol Beats, que foi realizado no último mês de maio em São Paulo. Considerado o maior evento de música eletrônica do mundo, a edição de 2006 do Skol Beats contou com mais de 90 atrações nacionais e internacionais em seis palcos diferentes. Entre os DJ´s, destacaram-se os brasileiros Marky, Patife e DJ Marlboro que animaram um público de quase 60 mil pessoas em dois dias de festa.O DJ pode produzir a música, combinando batidas, efeitos e o que mais a sua imaginação inventar ou, como fazem a maioria, mesclar músicas que já existem oferecendo novas roupagens. A mudança fica por conta da alteração da velocidade ou da implementação de elementos de outros ritmos, como é o caso da MBP eletrônica."Antes todo jovem queria ter uma banda, agora eles estão descobrindo o DJ", afirma Edemo Barbosa, o DJ Demu, como é conhecido nas baladas. Ele trabalha na área há 17 anos e é professor da escola DJ Ban. Para ele a visão sobre o DJ mudou bastante. "Há alguns anos havia um certo preconceito. Hoje a profissão é glamourizada".O cursoCada escola possui seu método de ensino. Algumas oferecem o curso em módulos, divididos em básico, intermediário e performance. Na escola Beatmasters, o módulo básico dura dois meses e é indicado para quem nunca teve contato com as pick-ups. Na primeira aula, o aluno é apresentado aos equipamentos, aprende para que serve cada um dos muitos botões do mixer - aparelho usado para mesclar várias fontes de áudio -, descobre como funciona o toca-discos e outros aparatos que os DJ´s usam em suas apresentações. Em seguida, são ensinados conceitos de teoria musical como divisão de tempo, compasso, ritmo e aplicados exercícios de coordenação e sincronismo. Mais familiarizado com os equipamentos? Então está na hora de começar a aprender a mixar, ou seja, fazer a união e a transição de uma música para a outra usando recursos como equalização e efeitos. Pode parecer tarefa simples, mas é aí que muitos estudantes têm dificuldades, já que é preciso encontrar o ponto e a velocidade certos para fazer a passagem entre as músicas.No nível intermediário, são aperfeiçoados os conceitos de mixagem, já no curso de performance são ensinados efeitos como cutting back e scrat, geralmente usados por DJ´s de hip-hop e em campeonatos.Para quem tem menor disponibilidade de tempo, existem ainda cursos mais rápidos, como o oferecido pela DJ Ban. Em três semanas a escola ensina a técnica e a prática de mixagem em CD e vinil e oferece dicas de como ingressar na carreira de DJ. A escola possui ainda uma loja própria para quem quiser comprar os equipamentos.As aulas podem ser individuais, ou em grupos, o que barateia o custo. A maioria das escolas forma turmas pequenas para que os alunos possam treinar e ter mais contato com o professor. Ítalo Rocha, de 20 anos e Michael Klimeck, de 21 anos, fazem aulas em grupo há dois meses. Em comum, os dois têm a paixão pela música e a vontade de se tornarem DJ´s profissionais. "Aprender não é tão fácil como parece, o aluno tem que gostar de música e ter muita força de vontade?, diz Ítalo.TreinoTerminei as aulas. Já sou um DJ? Ainda não. Os professores explicam que o curso dá uma boa base para o início da carreira, mas é só com muito treino que o aluno poderá ser considerado um DJ de verdade. "É óbvio que depois de dois meses você ainda não é um DJ, pois ainda não tem segurança para se apresentar em frente a uma platéia. Para isso é preciso praticar muito. No meu caso, pegava emprestado um toca-discos com um amigo, um mixer com outro e treinava horas a fio até dominar o equipamento e ganhar segurança", explica o DJ e professor Fábio Casanova. "O Jimmy Hendrix não aprendeu a tocar guitarra em dois meses", brinca.O português Eduardo George, de 24 anos, concorda. Ele fez o curso básico e diz que as aulas foram apenas um trampolim. George trabalha na área de marketing, mas sempre quis fazer um curso de DJ como um hobby. Agora ele pretende comprar os equipamentos e continuar estudando. "Depois das aulas é importante, praticar, só assim você consegue evoluir. Não adianta esperar que o curso ofereça tudo, é preciso ir atrás também".Jovens DJ´sAs salas das escolas de DJ são freqüentadas por jovens entre 18 e 25 anos. O DJ Guilherme Lopes, um dos fundadores da escola Beatmasters, explica que 80% dos alunos procuram o curso como um hobby, enquanto o resto pretende seguir carreira. Muitos gostam de música eletrônica, mas amantes de rock, MPB e até de samba também buscam as aulas. Segundo Lopes, a associação do DJ com a música eletrônica e o hip-hop dá a impressão de que o trabalho do DJ está restrito a estes dois estilos. "O DJ sempre será o elo entre o público e a música. Ele mostra novas tendências de vários ritmos e isso é o grande barato", argumenta.É justamente a mistura de estilos que atraiu o personal trainer Rodrigo Anasco, de 25 anos, e a empresária Geísa Santoni, de 29 anos. O casal sempre gostou muito de música e resolveu fazer aulas junto há um mês, como hobby. Ele, fã de rock, e ela, de música eletrônica, resolveram juntar os dois estilos e pretendem se apresentar juntos, unindo os dois sons, um em cada pick-up. "Sempre gostei de rock e acabei descobrindo a música eletrônica", diz Rodrigo. "Tocava baixo, guitarra e bateria, mas sinto mais energia como DJ", explica.Toque femininoAinda que em número menor, as meninas também estão descobrindo as pick-ups. É o caso da auxiliar administrativa e estudante de Direito, Mariana Liduenha Cabrera, de 25 anos. Amante da música, em especial MPB e bossa nova, Mariana também freqüentava baladas eletrônicas e diz que ficava impressionada com a capacidade do DJ de fazer as pessoas dançarem e até de transformar as emoções do público com a simples mudança de uma música. "Ficava olhando o DJ e pensava ´como ele faz isso?´", diz. "Queria mexer nos equipamentos e aprender. Não podia morrer sem fazer o curso de DJ". Mariana fez um curso intensivo. Ela diz que não pretende seguir carreira, mas quer comprar os equipamentos e continuar treinando."Hoje em dia há mais garotas tocando do que 5 anos atrás. É muito legal ver as mulheres conquistando um espaço onde originalmente os homens predominavam", diz a tradutora e intérprete Lisandra Carvalho, de 28 anos, também fez o curso por hobby. "Elas têm a tendência de tocar ritmos mais lentos, como house, progressive e trance". Lisandra começou a ouvir música eletrônica quando adolescente e desde então este passou a ser seu gênero favorito. Para ela, aprender a tocar foi um passo natural. Ela terminou o curso básico, e não pretende parar de treinar. "Mixar começou como hobby e se tornou um vício".Como começarQuem quiser fazer um curso de DJ pode encontrar escolas especializadas em todo o Brasil. Em São Paulo, algumas oferecem cursos intensivos para alunos de outros Estados, com duração média de três semanas. Os cursos básicos custam em média R$ 350, com aulas uma vez por semana durante dois meses. É possível escolher entre aulas individuais ou em grupos, mas as últimas são mais baratas. Mas, se você quiser comprar os equipamentos para treinar em casa, prepare-se e economize. Um conjunto de dois toca-discos e um mixer custa em média R$ 2 mil. Algumas escolas auxiliam na compra e oferecem ainda equipamentos usados por um preço mais em conta. Os discos também não são baratos, custam em média R$ 45. Por serem importados, seu valor varia com a cotação do dólar. Escolas São Paulo Beatmasters, (11) 5573-3664Dance PlanetDJ Ban, (11) 6854-5870Rio de Janeiro Xtreme-DJ, (21) 2527-1443 Curitiba Christ Dj Academy, (41) 3222-3222AIMEC: Academia Internacional de Música Eletrônica de Curitiba, (41) 3223-6182

Agencia Estado,

14 de junho de 2006 | 10h19

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.