Jovens da periferia representam o Brasil em Nova York

Da periferia da Grande São Paulo para Nova York. Este foi o trajeto das estudantes Elaine Cristina Mathias e Duane Egle Santos, ambas de 17 anos e filhas de faxineiras desempregadas. Embora pouco conheçam além de um raio de 100 quilômetros de suas casas, em bairros considerados violentos, elas representam o Brasil numa reunião da Organização das Nações Unidas (ONU).As duas aprenderam a tocar violino freqüentando as aulas gratuitas do Projeto Guri, mantido desde 1995 pelo governo do Estado, e vão contar sua experiência na Sessão Especial da Assembléia da ONU em Favor da Infância. O objetivo do encontro é discutir dificuldades e direitos das crianças no mundo."Depois que comecei a tocar me tornei menos tímida, aprendi a confiar mais em meu potencial", afirma Duane. Ela pretende abordar temas polêmicos, como drogas, violência e desemprego. "Mas, com atividades como a música, é possível nos sentirmos mais valorizados."Aluna do 3º colegial e moradora do Jardim Padroeira 2, em Osasco, ela ouviu o som de um violino pela primeira vez há dois anos, em uma apresentação gratuita. "Me apaixonei na hora." Hoje, dedica 25 horas semanais às aulas e aos ensaios. "Sinto um frio na barriga quando penso na viagem", confessa Elaine. "Mas quero ter a oportunidade de dizer que precisamos de uma educação que dê os jovens a oportunidade de fazer algo de que se orgulhem."O convite para participar do fórum, realizado a cada dez anos, com 800 adolescentes de mais de 150 países, partiu do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). "Mais de 100 mil jovens já passaram pelo Guri; temos hoje 15 mil em 65 pólos", diz a coordenadora-geral do Projeto Guri, Beth Parro."Descobrimos muitos talentos com esse trabalho, e surgem oportunidades profissionais, mas isso é pouco se comparado à melhoria da qualidade de vida desses jovens", afirma a coordenadora técnica Nurimar Valsecchi. "A maioria dos garotos se torna mais responsável e até melhora o rendimento escolar."

Agencia Estado,

03 de maio de 2002 | 23h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.