Jovens dizem ter sido abusadas em assalto à casa no Rio

Bandidos invadiram casarão, jantaram, roubaram objetos das mulheres e de outro casal e fugiram em carro

Talita Figueiredo, O Estado de S.Paulo

11 de março de 2009 | 18h22

Um casarão em Santa Teresa, na zona sul do Rio, foi assaltado na madrugada desta quarta-feira, 11, e duas jovens, de 19 e 24 anos, teriam sido estupradas pelos criminosos, segundo depoimento delas na delegacia. Duas famílias moram no local. De acordo com a polícia, por volta da 1 hora, seis homens armados com facas e pistolas invadiram a residência das jovens e roubaram joias, celulares e equipamentos eletrônicos. Além disso, jantaram no casa, consumiram drogas e depois teriam estuprado as duas moças. Em seguida, os criminosos foram para o andar de cima e assaltaram um casal que dormia.  A permanência dos assaltantes no local teria durado cerca de duas horas e meia. Eles fugiram com o Chevette do casal. A polícia investiga se os criminosos são os mesmos que roubaram uma outra casa na madrugada de segunda-feira. Na ocasião, a dona da casa Maria Teresa do Rosário de Almeida Braga ficou todo o tempo sob a mira das armas dos criminosos, que fugiram levando US$ 1.500, quatro câmeras fotográficas, um computador, dois laptops, um aparelho GPS, aparelhagem de som, roupas e uma mala de viagem, onde os objetos roubados foram colocados. Segundo o titular da 7ª Delegacia de Polícia, Marco Antônio da Silva, que investiga os dois crimes, na madrugada desta quarta faltou luz no bairro. "Quando eles entraram no apartamento das duas jovens, não havia luz. Mas quando saíram, já havia voltado", explicou. Os nomes das vítimas não foram divulgados pela polícia.  Nesta quarta foi feita uma perícia no local a fim de identificar impressões digitais que possivelmente eles tenham deixado em copos e talheres, já que teriam jantado no local. Uma informação no depoimento das vítimas está deixando o delegado intrigado: a declaração de que a porta que dá acesso ao prédio foi arrombada, mas a perícia não encontrou sinais de arrombamento.  Um cão farejador foi usado pelos peritos e encontraram vestígios de cocaína e maconha. O delegado disse ainda que no apartamento das jovens os criminosos teriam deixado inscrições nas paredes onde se lia ADA (facção criminosa Amigo dos Amigos). O delegado aguardava até o fim desta tarde resultados da exame de corpo de delito feito pelas jovens, que foram encaminhadas no início da manhã ao Instituto Médico Legal.  As residências que foram assaltados ficam num terreno atrás de um centro cultural na Rua Hermenegildo de Barros. Há câmeras em frente ao centro cultural, no entanto elas só ficam ligadas em dias de evento no local. Nesta quarta não havia programação cultural.  Segundo moradores do bairro, a violência preocupa principalmente por causa da frequente falta de luz que atinge a região. "São muitos assaltos aqui na rua, eu mesma já vi uns quatro nos últimos meses. A minha vizinha foi assaltada aqui domingo e levaram o carro dela. Imagina o desespero da família, porque ela estava com a filha de um ano e nove meses", disse Sueli Figueiredo, que mora na mesma rua onde ficam os apartamentos assaltados. Na quinta-feira, 12, moradores participam de um debate sobre a violência às 19 horas no Centro Cultural Laurinda Santos Lobo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.