Jovens executam guarda com 24 tiros após briga de trânsito

Guarda civil metropolitano havia chamado a atenção de motorista que trafegava na contramão

Naiana Oscar, O Estadao de S.Paulo

24 de novembro de 2007 | 00h00

O guarda civil metropolitano (GCM) Pedro Gomes de Souza, de 38 anos, foi executado com 24 tiros anteontem à noite, no Itaim Paulista, zona leste da capital. Horas depois, dois suspeitos foram localizados. Segundo a polícia, Vanilson Ferreira de Souza Neto, 21 anos, e Wagner Rodrigues Marques, 22, confessaram informalmente o crime e acrescentaram que planejaram o assassinato para se vingar de uma briga no trânsito. Os dois tinham a ficha criminal limpa.Neto disse à polícia que se sentiu humilhado depois que Gomes chamou sua atenção, num local público, por dirigir na contramão. O GCM estava havia dois anos de licença médica, por problemas psicológicos. "Os acusados alegam que estavam com medo de ser assassinados pelo guarda", disse o delegado Marcos Carneiro, do Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP). "Por isso compraram uma arma numa feira do rolo na zona leste para matá-lo antes."A execução aconteceu a 100 metros da casa de Gomes. Segundo a polícia, o guarda bebia cerveja com o dono do bar e outro cliente. Estavam só os três no local. Às 19h30, um Fiat Palio Weekend parou na frente ao bar e Neto desceu armado. Marques veio ao seu lado.Os dois exigiram que Gomes levantasse os braços e, ainda conforme a polícia, antes de o GCM sacar sua arma pessoal, Neto atirou. Marques tomou a pistola ponto 380 do guarda e também disparou contra ele.Com a placa do carro anotada por uma testemunha, a polícia conseguiu encontrar os dois num forró, ainda de madrugada. No Palio, os policiais acharam as cápsulas dos projéteis que teriam sido usadas para matar o GCM. Foi o suficiente para prender Neto e Marques . Os parentes de Gomes acreditam que o crime tenha sido cometido por vingança, mas não crêem em briga de trânsito. "Ele nunca comentou nada em casa, não era um homem violento", disse Isabel Vieira, 34 anos, mulher do GCM. Pai de três filhos - uma jovem de 17 e dois meninos de 7 e 5 anos -, Gomes foi enterrado ontem em Ferraz de Vasconcelos. Ele trabalhava havia 12 anos na GCM.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.