Jovens são presos suspeitos de estuprar garota em festa em SC

Universitário e estudantes de colégios particulares foram detidos após imagens do abuso circularem pela web

Fabiana Marchezi e Júlio Castro, estadao.com.br e O Estado de S.Paulo

13 de novembro de 2008 | 14h57

Um universitário e dois alunos de escolas particulares de Joaçaba, no interior de Santa Catarina, foram presos na tarde de quarta-feira, 12, por suspeita de estuprar uma menina de 15 anos, durante uma festa, ocorrida há três semanas. Os rapazes teriam gravado as cenas e colocado o vídeo na internet.   Segundo o inquérito, a garota teria ingerido uma grande quantidade de bebida alcoólica, passou mal, pediu aos três para ser levada ao banheiro pensando que fosse tomar banho. Conforme o vídeo divulgado na internet, a garota, visivelmente bastante embriagada, foi despida e arrastada para dentro do box e logo em seguida passou a ser abusada sexualmente por um deles, enquanto os demais assistiam e filmavam. "E ela não colabora", disse um rapaz. "Também, nesse estado, não está em condições de colaborar muito", disse o outro em um trecho de áudio do vídeo.   Após o estupro, a garota foi levada nua para a sala da casa e colocada num sofá, ficando exposta para as demais pessoas participantes da festa, conforme fotos. Além de publicadas na web, as imagens foram enviadas por e-mail para os colegas da escola da própria vítima. Através do vídeo, a polícia conseguiu identificar todos os acusados.  O processo corre em segredo de justiça e os nomes dos acusados não foram revelados. O assunto é dominante na cidade de pouco mais de 25 mil habitantes.   O delegado Ademir Tadeu de Oliveira recebeu as imagens pelo computador e começou a investigar o crime. Dois rapazes de 18 anos e um menor, de 16, foram detidos e encaminhados ao presídio Regional da Comarca e Centro de Internamento provisório da Comarca, respectivamente. "Nós já temos as imagens, as fotografias que comprovam a violência sexual, as conversas entre eles pelo MSN comentando o ato com amigos, além da confissão", disse.   A confissão dos adolescentes foi feita à polícia na presença dos pais e dos advogados. O inquérito será encaminhado ao Ministério Público. O promotor público Protásio Campos Neto da vara criminal de Joaçaba, ao assistir as cenas, confirmou que os adolescentes deverão ser indiciados por três crimes: estupro, fornecimento de bebida alcoólica para menor e divulgação de pornografia na internet.   O advogado dos acusados Ricardo Nodari, afirmou que eles ainda não assimilaram a gravidade do crime que cometeram. "Pela pouca experiência de vida, no popular, a ficha ainda não caiu para eles", comentou Nodari. Se condenados, os dois maiores poderão pegar de 6 a 10 anos de prisão. O outro acusado de 16 anos poderá ser internado em uma casa para menores infratores por até três anos.   Atualizado às 20h04 para acréscimo de informações

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.