Juiz condena fotógrafo por sedução de menor e critica Big Brother

A sentença de condenação do fotógrafo Osmir D?albuquerque Lima Neto, condenado a 32 anos de prisão por seduzir e fotografar menores em poses sensuais, transformou-se em uma crítica aos reality shows e a revistas com a Playboy. ?Lamentavelmente, o que se vê nos dias de hoje são crianças e adolescentes em busca desesperada do sucesso e, por conseqüência, pela fortuna. Seus pais têm, evidentemente, total responsabilidade nesse aspecto?, diz a sentença de 66 páginas do juiz Marco Couto, da 26ª Vara Criminal da capital. ?O retrato disso", continua o juiz, "são crianças e adolescentes desviados e com poucos valores sólidos, que, ao se transformarem em adultos, acham que o futuro se encontra em programas televisivos e revistas badaladas. Daí o lamentável sucesso de programas como No Limite, Big Brother e Casa dos Artistas, bem como de revistas como a Playboy.?Em 1996, Lima Neto chegou a lançar a revista Quick New York Magazine, com fotos das crianças e adolescentes. As meninas eram abordadas em shopping centers com a promessa de que se tornariam modelos profissionais. O fotógrafo está preso na carceragem do Ponto Zero, no centro. Lima Neto, de 37 anos, levava crianças e adolescentes até os estúdios que mantinha nos bairros de Botafogo e Ipanema, na zona sul do Rio. Ele lançou vídeos com imagens dos menores, que eram vendidos em bancas de jornais. Na sentença que o condenou, destacou que as crianças aparentavam constragimento nas imagens. Segundo a sentença, em algumas fotos, meninas puxavam a saia para baixo. Chamada a depor, uma das vítimas ficou tão abalada ao ver o fotógrafo na sala de audiências que pediu que ao juiz que ele retirasse. Lima Neto alegou não saber que as garotas eram menores, mas o juiz não aceitou a justificativa, uma vez que algumas delas tinham apenas 11 e 12 anos. O fotógrafo foi preso em março de 2001 em Belém, no Pará, e depois foi transferido para o Rio. Na época, ele chegou a admitir que havia filmadorelações sexuais que manteve com adolescentes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.