Juiz de Beira-Mar e do PCC é morto em emboscada

O juiz de execução criminal de Presidente Prudente, José Antonio Machado Dias, de 48 anos, que estava no cargo havia mais de dez anos, foi assassinado ontem, numa emboscada, instantes após deixar o Fórum, do qual era diretor. Dias também era corregedor de presídios da região ? entre eles, o de Presidente Bernardes, de segurança máxima, onde estão presos líderes do Primeiro Comando da Capital (PCC) e o traficante carioca Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar. Entre outras atribuições, Dias era responsável pela liberação e transferência de presos. O assassinato ocorreu por volta das 18 horas. Após rodar cerca de 300 metros, o juiz teria sido fechado por um Uno branco. Da calçada, um rapaz disparou ? possivelmente uma pistola ? por quatro vezes, atingindo o juiz com dois tiros na cabeça e um no estômago. Desgovernado, o Vectra dirigido por ele, bateu numa árvore e ficou na calçada da Rua José Maria Armond. Uma testemunha disse aos policiais que o atirador entrou no Uno e fugiu em companhia de um comparsa, que estava ao volante. O carro do juiz estava com os vidros das portas da frente abertos. Seu celular ficou sobre o painel do carro, ligado. O procurador-geral de Justiça do Estado, Luiz Antonio Guimarães Marrey, decidiu ontem mesmo designar três promotores de Presidente Prudente para acompanhar as investigações. Brás Dorival Costa, Gilson Amâncio e Sílvio Barbato vão trabalhar com a polícia nas investigações. ?É um crime bárbaro, inadimissível e deve ser apurado e punido com todo o rigor. É absurdo que isso ocorra?, disse Marrey. Ele falou ontem com o secretário da Segurança Pública do Estado, Saulo Abreu, e com o presidente do Tribunal de Justiça (TJ), desembargador Sérgio Augusto Nigro Conceição. Saulo determinou a mobilização total da polícia para as apurações deve seguir hoje para Presidente Prudente. ?Estamos vivendo uma realidade muito dura. Dias era um colega muito querido, mas não vamos abaixar a cabeça?, comentou Conceição. Ele também pretendia viajar hoje para Presidente Prudente, em companhia do corregedor-geral da Justiça, Luiz Tâmbara. ?Precisamos apoiar os juízes da região?, comentou. Segundo o presidente do TJ, o crime pode ter sido cometido por pessoas ligadas a organizações criminosas, como o Primeiro Comando da Capital (PCC) e o Comando Vermelho (CV). ComemoraçãoDias é lembrado pelos colegas como um homem bem humorado e brincalhão, apaixonado pela magistratura. Desde que a Vara de Execuções de Presidente Prudente foi criada, ele sempre foi o juiz. Por sua graduação, poderia ter sido transferido para a capital, mas preferiu continuar em Presidente Prudente. Ao receberem a notícia da morte do juiz, por volta das 23 horas, presidiários da cidade comemoraram o crime com gritos e palmas, como se festejassem um gol. Segundo a Assessoria de Imprensa do TJ, o corpo chega a São Paulo ao meio-dia, onde será velado no Palácio da Justiça, na Praça da Sé, no centro. O enterro está marcado para as 17 horas, no Cemitério São Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.