Juiz decreta quebra de sigilo telefônico para apurar morte de Juan

Nesta quarta, 6, polícia confirmou que ossada encontrada na semana passada pertencia ao menino

Marcela Gonsalves, estadão.com.br

07 Julho 2011 | 15h15

SÃO PAULO - O juiz do 4º Tribunal do Júri de Nova Iguaçu (RJ) decretou nesta quarta-feira, 6, a quebra de sigilo dos dados telefônicos de dez linhas entre os dias 2 junho e 4 de julho de 2011. A medida visa auxiliar as investigações sobre o caso do menino Juan de Moraes, que desapareceu no dia 20 de junho.

O sumiço ocorreu após incursão de policiais militares do 20º Batalhão de Polícia Militar (Mesquita) à comunidade Danon, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. A ossada havia sido encontrada na semana passada, no Rio Botas, em Belford Roxo, também na Baixada. A Polícia Civil, porém, cometeu um engano e afirmou que o corpo pertencia a uma menina. Ontem, o erro foi desfeito e o órgão confirmou que o corpo pertencia a Juan.

 

Em relação às linhas telefônicas, a assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça não informou a quem elas pertencem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.