Juiz determina retirada de vídeo do YouTube

O juiz eleitoral auxiliar Teófilo Rodrigues Caetano Neto acatou pedido da campanha de Weslian Roriz (PSC) e determinou a retirada do YouTube, de vídeo no qual uma paródia do programa A Grande Família, da TV Globo, veicula conteúdo considerado ofensivo à honra da candidata ao governo do Distrito Federal.

, O Estado de S.Paulo

09 Outubro 2010 | 00h00

Mulher do ex-governador Joaquim Roriz (PSC), barrado pela Lei da Ficha Limpa, ela entrou na disputa dias antes do primeiro turno e obteve 30,06% dos votos. Vai disputar o segundo turno com Agnelo Queiroz (PT), que recebeu 48,41% dos votos.

No vídeo contestado pela campanha, a música interpretada por Dudu Nobre ganhou a versão A Grande Quadrilha: "Essa família é corrompida e também toda enrolada. É chegada em corrupção, tal o pai, lá é tudo fujão. Foge pai, coloca mãe, empurra as filhas, essa gente é uma quadrilha que quer nos sacanear."

Outra representação, ajuizada pela própria Weslian, mostra sua atuação no debate entre candidatos ao governo do DF, na Rede Globo. Na ocasião, ela se confundiu diversas vezes e chegou a dizer que iria "defender toda aquela corrupção". A candidata pediu também acesso aos dados cadastrais do autor e o endereço do computador de onde eles saíram. O caso será analisado.

Compra de votos. O senador Arthur Virgílio (PSDB) encaminhou ontem ao Ministério Público Federal denúncia de suposta compra de votos e abuso do poder econômico por parte dos adversários vitoriosos ao Senado, Eduardo Braga (PMDB) e Vanessa Grazziotin (PC do B).

De acordo com Virgílio, o suposto esquema funcionou maquiado de pagamentos a cerca de 100 mil cabos eleitorais no interior, no valor de R$ 600 ou R$ 1,2 mil cada. "Minha eleição foi roubada pelo ódio e pelo despudor, mas não ficarão impunes", disse.

O advogado de Vanessa e Braga, Delcio Luis dos Santos, não soube informar o valor total pago. Nota da assessoria de Vanessa Grazziotin diz que "todos os cabos eleitorais receberam cartão do Bradesco; se alguém recebeu e repassou dinheiro foi de inteira responsabilidade do contratado".

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.