Juiz determina retorno de Vilma Martins ao semi-aberto

A ex-empresária Vilma Martins, de 51 anos, condenada por falsidade ideológica e pelo seqüestro de duas crianças, entre elas o menino Pedrinho, voltará a cumprir pena no regime semi-aberto na Casa do Albergado, em Goiânia, de acordo com decisão do juiz Lázaro Alves Martins Júnior, da Vara de Execuções Penais de Goiânia.Vilma foi encaminhada novamente no mês passado à Casa de Prisão Provisória (CPP), em Aparecida de Goiânia, após ter se ausentado durante oito dias da Casa do Albergado, alegando problemas de saúde. Como extrapolou o prazo limite para o retorno, a diretoria do albergue entendeu que se tratava de uma fuga e determinou a sua volta à prisão. Nesta terça-feira, 25, no entanto, o Tribunal de Justiça de Goiás determinou que ela seja incluída novamente no regime semi-aberto. O juiz interpretou a atitude do albergue como um excesso de execução já que a Vara de Execuções Penais não foi consultada. Além disso, Vilma teria comprovado com farta documentação que a sua ausência foi motivada por problemas de saúde, que necessitaram de tratamento médico. O redirecionamento de Vilma à CPP, em razão de a Casa do Albergado não possuir enfermaria, para o juiz, também não justifica a permanência dela na prisão, uma vez que o estabelecimento não é adequado para o cumprimento de pena no regime semi-aberto.Na decisão, Alves Martins observou que embora as decisões relativas a Vilma Martins tenham ampla repercussão na mídia, isso não deve motivar qualquer diferenciação no tratamento dado à ela, de forma que sua pena deve ser cumprida dentro dos limites impostos, como a de qualquer outro sentenciado, sem que existam benefícios nem penalidades não previstos.Desde dezembro de 2005, Vilma, presa em maio de 2003, cumpre o restante da pena de 15 anos e 9 meses de reclusão em regime semi-aberto por ter apresentado bom comportamento na cadeia. Além do seqüestro de Pedro Júnior Rosalino, o Pedrinho, Vilma é acusada do seqüestro de Aparecida Fernanda Ribeiro, quando os dois ainda eram bebês.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.