Juiz diz que escapou de emboscada do crime organizado

O juiz Helder Loureiro, titular da 3ª Vara Criminal de Competência Não-Privativa de Maceió e responsável pela condenação dos integrantes da chamada ?gangue fardada?, responsabilizou o governador Ronaldo Lessa (PSB) por atentados que vier a sofrer em conseqüência da redução do número de policiais que fazem a sua segurança. O juiz revelou nesta quarta-feira que escapou de uma emboscada armada por pistoleiros a serviço do crime organizado.Ele afirma que seria assassinado em sua casa de praia na segunda-feira de manhã em Posto de Pedras, litoral norte de Alagoas, a 94 quilômetros de Maceió. ?Oito elementos estiveram na frente de minha casa de praia, em dois carros, um Uno cinza e um Palio Verde, uma hora e meia depois que eu e minha família deixamos a cidade com destino à Maceió?, disse o magistrado.Em entrevista à imprensa, Lessa disse que Loureiro tinha sido visto em uma praia de Porto de Pedras durante o feriado de Páscoa sem seguranças. O governador afirmou estranhar o fato, em se tratando de um magistrado que se diz ameaçado de morte.O juiz disse que o governador está mal informado e garantiu que não dispensou a proteção policial. Segundo Loureiro, apenas dois PMs viajaram com ele a Porto de Pedras, e as despesas de viagem foram custeadas por ele.Para o juiz, o governador está desrespeitando uma determinação do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio de Mello, que, no final de março, solicitou aos governadores que dessem proteção aos juízes ameaçados de morte.Veja o especial:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.