Juiz é assassinado em Santa Catarina

Em depoimento nesta terça-feira na sede da Polícia Federal, em Florianópolis, Fábio Loiola Franzini, de 23 anos, confessou ter assassinado o juiz do trabalho Nei Machado Cordeiro, de 41 anos.Franzini contou que estava sendo assediado pelo juiz há alguns anos e que cometeu o crime dia 1º de abril, em Guabiruba, cidade do Vale do Itajaí, a 120 quilômetros da Capital catarinense. O rapaz foi preso segunda-feira em Curitiba (PR) e disse onde estava o corpo de Cordeiro, que há trabalhava na Vara do Trabalho de Xanxerê, no Oeste de Santa Catarina.Franzini explicou que o juiz o encontrou em Brusque, cidade vizinha a Guabiruba, e que de lá ambos seguiram para o local do crime, onde Cordeiro ofereceu um cheque de R$ 19 mil para que ele se mudasse para Xanxerê. Como resposta, recebeu dois tiros na cabeça. O assassino disse ter escondido o corpo, queimado os documentos da vítima e jogado a arma em um rio.Cordeiro havia saído dia 1º de Xanxerê em direção ao litoral catarinense, onde teria um compromisso, mas só foi dado como desaparecido depois que a polícia encontrou seu BMW em chamas no caminho para o aeroporto de Joinville, norte do Estado, no dia 5. A partir daí as investigações começaram, até que se chegou ao suspeito. A Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) divulgou nesta terça-feira uma nota de pesar pelo assassinato.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.