Juiz espera MP para decidir sobre prisão de Tatto

O Departamento de Inquéritos Policiais e Polícia Judiciária (Dipo) ainda não decidiu se decreta a prisão do ex-secretário municipal dos Transportes Jilmar Tatto. O inquérito aberto pela Polícia Civil de Santo André para apurar supostas ligações de cooperativas de transportes alternativos da capital com o PCC foi encaminhado a promotores de São Paulo na quarta-feira, 21. Só após o parecer do Ministério Público Estadual é que o juiz do Dipo dará seu parecer. Tatto é acusado de prevaricação e formação de quadrilha. Segundo a polícia, o ex-secretário assinou autorização para perueiros da extinta Transmetro serem incluídos na Cooper Pam - ambas são investigadas por suposta ligação com o PCC. O presidente da Cooper Pam, Luiz Carlos Efigênio Pacheco, o Pandora, foi preso acusado de ter financiado com dinheiro dos lotações a tentativa de resgate de um preso do PCC em Santo André. Ele nega.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.