''Juiz intimidou e ameaçou prender uma testemunha''

Ao ouvir o promotor pedir a absolvição do PM que confessou a morte de seu filho, Daniela Duque, de 38 anos, protestou e acabou expulsa do plenário pelo juiz Sidney Rosa da Silva. Ela negou que o filho fosse violento e acusou o MP de corporativismo. O que fez o PM ser absolvido? Foi um circo armado pelo Ministério Público. O promotor atuou como advogado de defesa. O juiz intimidou uma menina, testemunha de acusação, com ameaças de prisão. Houve corporativismo. Se ele (o PM) tivesse assassinado o filho da promotora, não estaria solto. A promotoria acusa as testemunhas de entrarem em contradição. Houve contradições. O crime aconteceu à noite e os envolvidos beberam. Queriam que as testemunhas determinassem com exatidão a distância e a hora. É absurdo, porque o Pedro Velasco e as testemunhas de defesa do PM também apresentaram versões diferentes na delegacia e perante o júri, mas isso não foi observado. O que a senhora achou da unanimidade entre os jurados? Fiquei boquiaberta. Acredito que as cinco mulheres devem ser mães e compraram a história ridícula montada pelo promotor. Não vai ficar assim. Vamos recorrer e mostrar a verdade. Meu filho estava no chão e se levantava quando foi assassinado pelas costas.

Pedro Dantas, O Estadao de S.Paulo

09 Outubro 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.