Juíza decreta nova ordem de prisão contra Edivaldo

Edivaldo Santiago da Silva, presidente do Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de São Paulo, que está sendo investigado pela Polícia Federal, suspeito de participar em esquema de corrupção no sistema de transporte urbano de São Paulo, teve nesta sexta-feira prisão temporária por 30 dias decretada pela juíza da Vara do Júri de Guarulhos, Isaura Cristina Parreira, no processo sobre o assassinato de Maurício Alves Cordeiro, presidente do Sindicato dos Motoristas de Guarulhos.A mesma medida foi decretada contra os sindicalistas Antonildo Gonçalves da Silva e José Carlos de Sena. No mesmo processo, a juíza decretou também a prisão preventiva de Severino Teotônio do Nascimento (envolvido em dois outros homicídios) e Antonio Fernandes de Souza, ?para assegurar a aplicação da lei penal, para a garantia da ordem pública e por conveniência da instrução criminal em virtude dos novos fatos trazidos ao processo.? Assinala a juíza que, segundo novos depoimentos colhidos, Maurício teria sido morto ?pelo fato de recusar-se a se filiar à Força Sindical?.Ao decretar a prisão temporária por 30 dias de Edivaldo e dos dois outros sindicalistas, observa a juíza que os indícios de autoria para decretação da medida ?estão representados pelos depoimentos das testemunhas, as quais apontam os réus não só como autores do crime de homicídio duplamente qualificado contra Maurício, mas de várias ameaças anteriores?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.