Ernesto Rodrigues/Estadão
Ernesto Rodrigues/Estadão

Juíza diz não haver necessidade de transferir João de Deus para hospital

Médium preso em Aparecida de Goiânia passou mal na última quarta; exames detectaram presença de sangue na urina

Redação, O Estado de S.Paulo

04 Janeiro 2019 | 23h22

A juíza Marli de Fátima Naves, do Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO), afirmou nesta sexta-feira, 4, que não há, "até a presente data", qualquer variação no estado de saúde do médium João Teixeira de Faria, conhecido como João de Deus, que exija a transferência dele do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia para um hospital. 

A manifestação da juíza ocorre após o Supremo Tribunal Federal (STF) ter determinado nesta quinta-feira, 3, que o TJ-GO informasse, em 48 horas, a situação de saúde do médium. As informações são da Agência Brasil. 

Segundo a juíza, em ofício encaminhado ao presidente do STF, ministro Dias Toffoli, após passar mal na quarta-feira, 2, João de Deus foi atendido no núcleo de custódia da unidade prisional e encaminhado, em seguida, para o Hospital de Urgência de Goiânia. A juíza informou, ainda, que os exames detectaram apenas discreta presença de sangue na urina do médium, sem infecção. 

A juíza destacou que, após sentir-se mal, o médium foi atendido de forma célere e adequada às condições de saúde e idade do paciente. Na quarta-feira, 2, João de Deus teve de deixar o presídio onde está detido, e ser atendido às pressas após ter passado mal. No dia seguinte, o médium voltou ao Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia. 

Nesta sexta, após a manifestação da juíza, Dias Toffoli pediu que a Procuradoria-Geral da República (PGR) se manifeste sobre o pedido de liberdade feito pela defesa do médium. Com a decisão, a PGR terá 48 horas para apresentar um parecer sobre o pedido de prisão domiciliar. 

O médium está preso desde o dia 16 de dezembro sob a acusação de violação sexual mediante fraude e dois crimes de estupro de vulnerável. A prisão ocorreu depois que uma série de denúncias de mulheres sobre os abusos veio à tona. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.