Juíza pede 24h para decidir quebra de sigilo no caso Staheli

A juíza Maria Angélica Guimarães Guerra Guedes, da 4ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio, pediu prazo de 24 horas para decidir se aceita novo pedido de quebra do sigilo telefônico de 14 suspeitos de envolvimento no assassinato do casal de americanos Zera Todd e Michelle Staheli.O subsecretário de Segurança Pública do Estado, coronel Romeu Ferreira, os delegados Marcus Henrique Alves, da Delegacia da Barra da Tijuca, Carlos Henrique Machado, titular da Delegacia de Homicídios, e a promotora Marcelle Navega foram hoje ao Tribunal de Justiça reforçar o pedido, levando "novos elementos". Maria Angélica já havia negado solicitação anterior por "falta de fundamentação".Um dia após uma fonte revelar que a investigação está praticamente concluída, com a identificação de pelo menos um suspeito, a Secretaria da Segurança Pública divulgou nota informando que, das 15 linhas de investigação do caso, dez foram descartadas e "cinco continuam sendo checadas".Staheli era diretor da área de gás e energia da Shell na América Latina. Ele e Michelle foram assassinados em casa no dia 30 de novembro. A Shell Brasil também divulgou nota para rebater a informação de que a possibilidade de crime profissional está sendo investigada."A empresa reafirma que em momento algum Todd Staheli informou que vinha sofrendo pressão profissional, nem tem qualquer indicação que essas atividades tenham alguma ligação com o ocorrido", diz a nota.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.