Juíza solta mentor do assassinato de Dorothy Stang

O fazendeiro Regivaldo Pereira Galvão aguardará em liberdade a apelação de sentença que o condenou a 30 anos de prisão. Galvão é considerado o mentor do assassinato da missionária norte-americana Dorothy Stang, em 2005. A decisão de libertá-lo, em caráter liminar, é da desembargadora Maria de Nazaré Gouveia, do Tribunal de Justiça do Pará.

Roberto Almeida, O Estado de S.Paulo

20 de maio de 2010 | 00h00

No despacho, a magistrada considera que o fazendeiro preencheu requisitos da lei para aguardar em liberdade. "O paciente compareceu em todos os atos da instrução criminal, inclusive espontaneamente ao Cartório Criminal para tomar ciência da data do seu julgamento, bem como para se submeter ao Egrégio Tribunal do Júri", anotou.

Galvão era o quinto e último acusado de participar da morte da missionária a ser preso. Na madrugada do dia 1.º de maio deste ano, os jurados entenderam que ele agiu para satisfazer sua "cobiça e ambição pessoal" e foi levado para um presídio em Belém.

Para fundamentar a decisão, a magistrada se remeteu a decisão do Supremo Tribunal Federal e sublinhou habeas corpus concedido pelo ministro Eros Grau: "Ofende o princípio da não-culpabilidade a execução da pena privativa de liberdade antes do trânsito em julgado da sentença condenatória."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.