Wilton Júnior/AE
Wilton Júnior/AE

Julgamento de acusados de integrar milícia Liga da Justiça começa no Rio

Uma testemunha foi dispensada e novo adiamento de júri foi negado; Batman será julgado à parte

Pedro Dantas, O Estado de S.Paulo

14 Fevereiro 2012 | 18h19

RIO - O julgamento dos líderes da milícia Liga da Justiça começou nesta terça-feira, 14, no Rio. O grupo de paramilitares responderá pela tentativa de homicídio do fiscal de vans Marcelo Eduardo dos Santos Lopes, em Guaratiba, na zona oeste carioca, em junho de 2005. Na época, segundo o Ministério Público, os milicianos tentavam impor a cobrança diária de R$ 42 aos motoristas de transporte alternativo como "pedágio".

O grupo chegou ao Fórum, no centro do Rio, escoltado pela Polícia Federal e agentes do Departamento Penitenciário Nacional. O ex-deputado estadual Natalino Guimarães, o irmão e ex-vereador Jerônimo Guimarães, o filho dele, Luciano Guimarães, e Leandro Paixão Viegas, o "Leandrinho Quebra Ossos", serão julgados. Eles já cumprem pena por formação de quadrilha armada no presídio federal de segurança máxima de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul.

Treze testemunhas serão ouvidas. O secretário municipal de Assistência Social, Rodrigo Bethlem, esteve no Fórum, mas foi dispensado como testemunha de defesa. "Fui dispensado tanto pela defesa como pelo Ministério Público. Fui arrolado por um dos réus (Luciano Guimarães) e não o conheço. Meu depoimento não acrescentaria nada", disse o secretário.

A juíza do 4º Tribunal do Júri Elizabeth Machado Louro negou o pedido da defesa de um novo adiamento do júri. Em outubro do ano passado, o julgamento foi transferido por causa da ausência de testemunhas. A previsão é que apenas na sexta-feira o júri popular divulgue um veredito. O ex-policial militar Ricardo Teixeira Cruz, o Batman, também é réu no mesmo processo, mas será julgado separadamente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.