Julgamento no caso de vereador gay é adiado em Maceió

O julgamento dos acusados pelo assassinato do vereador Renildo José dos Santos, que deveria ter acontecido nesta segunda, foi adiado para o dia 30 de maio. A decisão foi tomada no início da noite pelo juiz José Braga Neto, da 9ª Vara Criminal da Capital, alegando que um dos acusados - o fazendeiro José Renato Fragoso Cavalcante, de 72 anos - teria sido acometido de isquemia cerebral, causada por uma hipertensão arterial.O fazendeiro, que é acusado de ser o mandante do crime, teria passado mal antes do julgamento, no estacionamento do Fórum de Maceió, de onde foi levado para o hospital após ser observado pela médica do Poder Judiciário. Além de José Renato, seriam julgados o subtenente da PM Luiz Marcelo Pessoa Falcão e os soldados Paulo Jorge de Lima e Antônio Virgílio Araújo dos Santos.De acordo com os médicos, José Renato precisa ficar internado e deve fazer novos exames. O magistrado nomeou uma junta médica de sua confiança para conferir os exames do fazendeiro, para constatar se houve ou não a existência de isquemia. Essa junta também teria a missão de acompanhar o acusado até depois do julgamento.O promotor Marcus Mousinho coloca em dúvida a veracidade do resultado dos exames e o laudo da junta médica do Hospital da Unimed. "A filha do José Renato é médica daquela unidade de saúde, o que me faz pensar se é verdade ou não que ele tenha isquemia cerebral", questionou o promotor.ReaçõesQuando soube que o julgamento foi adiado a irmã da vítima, Marleudes dos Santos, ficou revoltada. "Ele passou o final de semana bonzinho em Coqueiro Seco, andando pela cidade inteira, e agora aparece doente? Meu pai está sofrendo com isso, minha irmã passou a ter problemas mentais depois da morte do Renildo. É uma armação. Quero Justiça", disse.Após o desabafo, Marleudes desmaiou e foi atendida pela equipe médica do Fórum. Durante toda a tarde, ela acompanhou os trabalhos no Fórum, ao lado da mãe de criação de Renildo. O vereador foi assassinado em março de 1993, com requintes de crueldade, após ter revelado que era homossexual e ter questionado a sexualidade do então prefeito Tadeu Fragoso, filho de Renato Fragoso Cavalcante.O juiz Braga Neto optou por julgar todos os acusados juntos. Como o fazendeiro José Renato passou mal, o júri popular foi adiado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.