Júri absolve mais quatro militares de Carajás

Por maioria de votos dos sete jurados, os soldados Genedir Chagas Lima, Lindon Johnson Honorato Siqueira e Edson Soares e também o ex-cabo Jailton Ferreira da Silva foram absolvidos da acusação de co-autoria na morte de 19 trabalhadores rurais sem terra em Eldorado dos Carajás, no sul do Pará, no dia 17 de abril de 1996. Os jurados aceitaram as argumentações de negativa de co-autoria levantadas pelo advogado Paulo Ronaldo Albuquerque, o mesmo que na semana passada já havia conseguido absolver outros 124 soldados e cabos apontados pelo Ministério Público como co-autores dos mesmos crimes. Com o resultado de ontem, 144 dos 146 militares julgados foram absolvidos e apenas dois condenados, no maior julgamento da Justiça brasileira em número de réus. Os condenados foram o coronel Mário Pantoja, a 228 anos de prisão, e o tenente-coronel José Maria Pereira de Oliveira, a 158 anos. Os absolvidos são 128 soldados e cabos, 11 sargentos e quatro tenentes, além do capitão Raimundo Almendra Lameira. Pantoja e Oliveira, embora condenados, estão fora da cadeia por serem réus primários e de bons antecedentes, o que lhes permite aguardar em liberdade o julgamento do recurso contra a sentença de condenação. O juiz leu a sentença de absolvição de Lima, Siqueira, Soares e Silva por volta das 18h10, depois de os jurados terem ficado com a acusação e a defesa trancados na sala secreta por cerca de 40 minutos. Parentes dos réus comemoraram a decisão, que desagradou aos promotores Marco Aurélio do Nascimento e Rui Barbosa. Ambos anunciaram que pretendem recorrer contra a absolvição, argumentando que os jurados não levaram em conta as provas contidas nos autos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.