Google
Google

Júri condena mãe e companheira no caso da morte do menino Rhuan no Distrito Federal

Penas para as mulheres ficaram acima dos 64 anos. Justiça reconheceu responsabilidade pelos crimes de homicídio, tortura, destruição e ocultação de cadáver

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de novembro de 2020 | 00h16

O Tribunal do Júri do Distrito Federal condenou nesta quarta-feira, 25, Rosana Auri da Silva Cândido e Kacyla Priscyla Santiago Damasceno pelo assassinato e esquartejamento do filho de Rosana, Rhuan Maycon, de 9 anos. As penas foram estipuladas em 65 anos e 8 meses de prisão para Rosana e 64 anos e 10 meses para Kacyla. 

A Justiça condenou as mulheres pelos crimes de homicídio triplamente qualificado, lesão corporal gravíssima, tortura, destruição e ocultação de cadáver e fraude processual. Elas já respondiam ao processo presas e deverão seguir em regime fechado. Cabe recurso contra a decisão. A defesa das mulheres sustenta inocência e pediu absolvição aos jurados. 

Rhuan foi atacado pelas mulheres em 31 de maio do ano passado na região administrativa de Samambaia, no Distrito Federal, de acordo com a denúncia apresentada. O corpo foi encontrado no dia seguinte em uma mala deixada na região. O Ministério Público sustenta que o crime foi motivado por ódio das mulheres contra a família paterna da vítima.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.